sexta-feira, 15 de novembro de 2019

Porandubas Políticas

Por Gaudêncio Torquato

Abro a coluna relembrando um "causo" de Pernambuco.

Só expectorante

Reunião de vereadores com o chefe político da região numa pequena cidade de Pernambuco. Cada um podia falar sobre os problemas do município, reivindicações, sugestões, etc.. Todos falaram alguma coisa, com exceção de um deles, meio acabrunhado no canto da sala. O chefe político cobrou dele a palavra:

– E você, amigo, não tem nada a dizer?

O vereador, tonto com a provocação, não teve saída. Respondeu:

– Não, doutor, tou apenas expectorante.

Gargalhada geral.

("Causo" do Marco Maciel com relato de Geraldo Alckmin.)

Ganha-ganha

Abre-se a temporada do jogo do ganha-ganha. Lula ganha, Bolsonaro ganha. A saída de Lula da prisão insere o país na arena das contendas de 2020 e 2022. Reforça as posições dos extremos. Acirra o ânimo das alas que já estão armadas e prontas a desembainhar as espadas. As estocadas entre lulopetistas/oposicionistas e bolsonaristas pipocam todos os dias nas redes, e tendem a engrossar com os rompantes das expressões dos comandantes Luiz Inácio e Jair Bolsonaro. Claro, com o reforço dos assessores, do tipo Gleisi Hoffmann e José Dirceu, de um lado, Sérgio Moro e os filhos do presidente, de outro.

Nova caravana

Lula já reabriu o palanque no discurso da soltura em Curitiba, e no Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo. Ambos com toques de virulência. Aliás, ele prometeu sair da prisão mais à esquerda. Dirceu complementou: cabe ao PT retomar o poder. Portanto, o jogo está traçado. Lula surpreendeu pela contundência. Voltou mais feroz. E José Dirceu volta a pregar o ideário socialista (Que modelagem, Zé?). Não se espere recuo desses exércitos em prontidão.

Nordeste abre jornada

Lula vai inaugurar uma nova corrida ao país, começando por Recife, no próximo dia 17. O Nordeste é onde ele tem maior popularidade. Região que espera dominar eleitoralmente, a partir de seu Estado, Pernambuco. O NE vive momento calamitoso com as praias inundadas de óleo. Lula vai tocar no assunto? P.S. Bolsonaro até hoje não foi ver a tragédia.

Margens para o centro

A estratégia de Luiz Inácio é clara: comer pelas bordas, ou seja, das margens para o centro. É uma estratégia adequada, principalmente em face da situação de miséria em que vive grande parcela da população. O IBGE acaba de mostrar os dados da desigualdade que aumenta. Claro, culpa de recessão da economia provocada pelo governo Dilma. Mas Lula, esperto, já manjou: o ataque é melhor que a defesa. E joga a culpa no atual governo. A economia anda de maneira lenta. O desemprego cede pouco. A informalidade é geral. Já o desemprego expande índices de carência e violência.

Sudeste racional

Lula começará a mobilizar seus exércitos pelo Nordeste, Norte e Centro-Oeste. Deixará o Sudeste para mais tarde. São Paulo é, por excelência, o polo mais contrário ao lulopetismo. Agrega as maiores classes médias, os maiores contingentes de formação de opinião e os maiores conglomerados do trabalho. A capital é um nicho onde o lulismo é bastante rechaçado. Já no Rio de Janeiro, o oposicionismo tende a aceitar melhor a volta de Lula ao cenário. Já o Sul é intensamente conservador. Tende a rejeitar o lulismo.

Instintivo e certeiro

Luiz Inácio sabe de tudo isso. É o mais instintivo político brasileiro. E o melhor de palanque no uso de uma linguagem popular. Mexe bem com metáforas e sofismas. Adota linguagem simples e direta. Motiva as massas. Diante de uma multidão, vira estrela incandescente. Sua capacidade de sacudir o país, claro, dependerá bastante do desempenho da economia. Aliás, é esse o eixo que ele vai empregar para desarmar o palanque de Bolsonaro. Este consultor tende a opinar que o discurso mais feroz de Lula é pior para o lulopetismo. Setores médios que poderiam a ele se juntar permanecerão distantes. Mas o ex-presidente poderá amainar a expressão. A conferir.

União da oposição

Lula pode tentar um acordo com as oposições, formando uma ampla frente. É viável a hipótese? Haverá dificuldades, a partir, por exemplo, de Ciro Gomes, que deseja ser o candidato presidencial do PDT em 2022. Ciro atirou muito em Lula. E ontem voltou a atacar a "natureza de escorpião" do petismo. Ataca para matar. Será tarefa inglória a de alcançar unidade nos interesses de núcleos e grupos em que se repartem as oposições.

Conchavo

Premido pelos casuísmos, Tancredo Neves foi obrigado a fundir o seu PP com o MDB de Itamar. Alguns pepistas pularam do barco e protestaram alegando conchavo. Tancredo foi curto e seco: "Conchavo é a identificação de ideias divergentes formando ideias convergentes". Tinha razão. Há curvas que desembocam em retas.

A radicalização de Bolsonaro

Analisemos, agora, a retórica bolsonariana. Estará recheada de apelos ao medo de eventual volta do PT ao poder. Bolsonaro precisa mobilizar sua militância e fazer maioria, agregando outros núcleos. O medo do PT poderá sustar a desagregação que vem se observando nas alas de apoio ao bolsonarismo. É patente o distanciamento que setores do meio passaram a se afastar do governo, distanciamento que ocorre na esteira de uma expressão radical sob a sombra dos tempos de chumbo. Muitos eleitores de Bolsonaro se afastaram. Por isso, o presidente precisa que Lula radicalize o discurso para ter de volta grupos que dele se afastaram. É um jogo de conveniências.

Quem puxa pelo meio?

Ora, parcela ponderável da população, principalmente os núcleos mais racionais, gostaria de ver um líder com um forte e brilhante discurso de centro. Quem? Até o momento, esse perfil não apareceu. O centro está disperso, difuso. Luciano Huck não possui densidade, escopo para encarnar a identidade de um presidente da República. Mas as massas o conhecem da TV. João Doria não chega às margens. É um perfil centralizador. Ele, ele e ele. Rodrigo Maia tem feito bom trabalho de articulação política, mas compõe melhor a posição de vice. Ciro Gomes é preparado, mas desbocado. Geralmente perde a estribeira e cai do cavalo no meio da campanha. Paulo Hartung, ex-governador do Espírito Santo, tem bom lastro, mas não atrai apoios. Imagem pouco conhecida.

As metades

Numa noite, às vésperas de 24 de agosto de 1954, quando se matou, Getúlio Vargas conversava, desalentado, desencantado, com José Américo de Almeida, seu ministro da Viação. Confessa:

– Impossível governar este país. Os homens de verdadeiro espírito público vão escasseando cada vez mais.

– Presidente, o que é que o senhor acha dos homens de seu governo?

– A metade não é capaz de nada e a outra metade é capaz de tudo.

Sudeste-nordeste

Há muita água a correr por baixo da ponte. Mas, sob a perspectiva teórica, a construção de uma chapa reunindo o Sudeste e o Nordeste seria a ideal tanto para um lado quanto para outro. Bolsonaro terá mais dificuldades. Afinal, o que fazer do vice Mourão? Essa lógica pode ser derrubada por fatores imponderáveis como aqueles que ocorreram em 2018, a partir da facada dada por Adélio Bispo no candidato Bolsonaro em Juiz de Fora/MG.

Paradigmas

Outras questões se apresentarão: haverá tanta quebra de paradigma quanto o que vimos em 2018? Tempo de TV, apoio de grandes partidos, a força de recursos financeiros, a situação de perfis tradicionais, a atração por perfis novos etc.? A "meninada" eleita sob o manto do PSL continuará a ter prestígio no pleito municipal de 2020 e conseguirá segurar seus índices eleitorais até 2022? Que partidos liderarão os pleitos? Qual o papel do PT? Do Novo? Do PSOL? Do MDB? Do PSD de Kassab? Do PP de Ciro Nogueira? Do PDT de Carlos Lupi? Do PRB dos evangélicos? Do DEM de ACM Neto, Rodrigo Maia e Alcolumbre? E a disputa pelo Fundo Partidário?

Novo partido

Bolsonaro reúne os deputados do PSL para dizer que sairá do partido e criará outro. Possível nome: Aliança Pelo Brasil. Pretende reunir rapidamente 100 deputados na nova sigla. (Em tempo: quem se lembra da velha ARENA – Aliança Renovadora Nacional, sustentáculo do regime militar?). Bolsonaro terá de correr contra o tempo. Para fazer campanha de prefeito, a sigla terá de registrar seu estatuto no TSE seis meses antes do pleito, ou seja, até maio.

Quiçá e cuíca

Benedito Valadares, governador, foi a Uberaba para abrir a Expozebu. E passou a ler o discurso preparado pela assessoria. A certa altura, mandou ver: "cuíca daqui saia o melhor gado do Brasil". Ali estava escrito: "quiçá daqui saia o melhor gado". A imprensa caiu de gozação. Passou-se o tempo. Tempos depois, em um baile na Pampulha, o maestro, lembrando-se do famoso discurso na terra do zebu, começou a apresentar ao governador os instrumentos da orquestra. Até chegar na fatídica cuíca. E assim falou: "e esta, senhor governador, é a célebre cuíca". Ao que Benedito, querendo dar o troco, redarguiu com inteira convicção:

– Não caio mais nessa não. Isto é quiçá!

(Historinha enviada por J. Geraldo).

Judiciário é alvo

A decisão do STF, por 6 a 5, de acabar com a prisão após condenação em 2ª instância, acirra a polarização política. Os "moristas" engrossam as críticas à Suprema Corte. Nunca se viu um tiroteio tão forte contra o altar ex-sagrado do Judiciário. Nunca se leram tantos adjetivos e imprecações contra ministros de nossa mais alta Corte. Nova frente de lutas se abre, tendo de um lado os simpatizantes da ideia de voltar a prisão após condenação em 2ª instância, com mudança no texto constitucional e os contrários. O tema estará em pauta, mas a proposta encontrará muitas curvas antes de chegar à reta final.

Tensões entre Poderes

O fato é que o país vive um ciclo de contundente locução. O debate abre, a cada dia, novos compartimentos. As tensões entre o Poder Legislativo e o Poder Judiciário, mesmo sob a preocupação dos presidentes em administrar a crise, tendem a aumentar. O Poder Executivo, por seu lado, é um polo de irradiação de conflitos e que carece de simpatia dos outros Poderes sob pena de ver naufragar as pautas que sugere. Toffoli quer agradar a Bolsonaro e aos presidentes da Câmara e do Senado. Está sob o fio da navalha. A crítica social sobre seu comportamento atinge os píncaros. O fato é que tirou do colo do STF o fardo da prisão após condenação em 2ª instância.

Tensão na região

A renúncia de Evo Morales, na Bolívia, a mobilização social no Chile, a vitória de Fernandez/Cristina Kirchner na Argentina, o rebuliço no Equador, a instabilidade no Peru, o clima de extremas carências na Venezuela e a polarização no Brasil formam, entre outros, fatores de desconfiança e desmotivação de investidores, que se retraem e passam a olhar com receio esses espaços para alocação de seus investimentos. Teria havido golpe na Bolívia? As opiniões se dividem. A esquerda, em uníssono, diz sim. Os analistas mais rigorosos falam em fraude. Evo renunciou face ao laudo da própria OEA comprovando falsificação de resultados.

Esquerda/direita e vice-versa

As economias do Chile e da Bolívia vinham sendo muito elogiadas por outros países por sua macroeconomia. Crescimento vigoroso, PIB ascendente, diminuição da pobreza, mercado financeiro satisfeito e investimentos externos. De repente, uma explosão social, guerra nas ruas. Parece que os governos do chileno Sebastián Piñera e do boliviano Evo Morales, enquanto governavam para o mercado, esqueciam as carências de sua população. As reclamações do povo são quase idênticas contra os governos de direita e de esquerda dos dois países. Os dados sobre a pobreza eram mesmo confiáveis?

Farta feição

José Aparecido chegou à sua Conceição do Mato Dentro/MG, começou a romaria dos amigos. Entrou um coronel, mansos passos e chapéu na mão:

– Bom dia, doutor. Boa viagem?

– Boa. Como vão as coisas?

– Tudo correndo como de costume. Novidade aqui nunca tem e lá pra fora não sei, porque minha televisão está defeituada.

– O que é que aconteceu com ela?

– Não sei não. Às vez farta prosa, às vez farta feição.


Gaudêncio Torquato, Jornalista e Consultor de Marketing Político, é Professor Titular na USP.

------------------------------------------

Livro Porandubas Políticas

A partir das colunas recheadas de humor para uma obra consagrada com a experiência do jornalista Gaudêncio Torquato.

Em forma editorial, o livro "Porandubas Políticas" apresenta saborosas narrativas folclóricas do mundo político acrescidas de valiosas dicas de marketing eleitoral.


Cada exemplar custa apenas R$ 60,00. Adquira o seu aqui - www.livrariamigalhas.com.br/




Fala, Janaína!


Janaína Paschoal, a Deputada Estadual mais votada na história do Brasil, mais de dois milhões de votos, esteve no Roda Viva, da TV Cultura, e não deixou pergunta sem resposta. Veja agora.

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Núcleo 'familiar astrológico' do governo Bolsonaro pode prejudicar economia, diz Eduardo Giannetti

"O núcleo familiar astrológico é tenebroso, e ele domina áreas muito importantes, que não podem ser desconectadas do resto", diz o economista Eduardo Giannetti
Pensar que o liberalismo econômico funcionará isoladamente das políticas para o meio ambiente é um erro grave e uma visão tacanha do liberalismo, coloca em risco a própria economia e até o futuro da agenda liberal defendida pela equipe econômica do governo Bolsonaro.

Medidas como a anunciada na semana passada, em que foi derrubado um decreto que proibia o plantio de cana de açúcar na Amazônia e no Pantanal, podem prejudicar não só o meio ambiente, mas também o futuro do agronegócio e a própria agenda liberal defendida pela equipe capitaneada pelo ministro Paulo Guedes, na visão do economista e cientista social Eduardo Giannetti.

"A área econômica não devia se omitir em relação a isso", afirmou Giannetti, PhD em Economia pela Universidade de Cambridge, ex-professor da USP e do Insper, em entrevista à BBC News Brasil.

Giannetti, responsável pelo programa econômico da candidata derrotada à Presidência Marina Silva (Rede), classifica como "tenebroso" o núcleo do governo protagonizado pelos filhos do presidente e por ministros simpatizantes às ideias do escritor Olavo de Carvalho, em especial nos setores do meio ambiente, educação e relações exteriores, que não podem ser desconectados da visão econômica.

"Achar que o liberalismo econômico pode existir independentemente do que acontece nessas áreas é um equívoco grave. A questão do meio ambiente, por exemplo, se for muito mal encaminhada, como vem sendo, vai isolar o Brasil da economia mundial. Vamos passar a sofrer boicotes", diz o economista. "Achar que vai tratar educação, relações internacionais e meio ambiente como brinquedo do núcleo familiar astrológico é um equívoco gravíssimo".

O economista falou à BBC News Brasil na casa dele, em São Paulo, em um intervalo de seu isolamento em uma pousada na cidade histórica de Tiradentes, em Minas Gerais, onde se dedica a escrever seu próximo livro e tem passado a maior parte de 2019. Fugindo radicalmente do barulho e das distrações da cidade grande, já é o sexto livro que ele escreve por lá. "É uma concentração total. Eu pego meu celular, ponho dentro da minha maleta, ponho a minha maleta dentro do armário, fecho o armário a chave e guardo a chave dentro da gaveta. Meu computador não liga internet. É para trabalhar. Eu recomendo".

Giannetti diz que nenhum presidente brasileiro desde a redemocratização — FHC, Lula, Dilma, Temer ou Bolsonaro — tratou como prioridade o que teria sido fundamental para garantir ao país um futuro menos que medíocre: dar educação e infraestrutura básicas para a população, como saneamento e transporte público, para formar trabalhadores mais produtivos e cidadãos plenos. "O desafio civilizatório secular do Brasil é a formação de capital humano".

Em sua próxima obra, o autor de Trópicos Utópicos (2016) e O Elogio do Vira-lata e outros ensaios (2018), tratará da ética no livro O Anel De Giges, referência a uma fábula que aparece no livro dois da República de Platão. Na história, um pastor descobre um anel que tem o poder de torná-lo invisível e, por isso, inimputável. "É um livro sobre ética, e a pergunta é o que leva alguém a ser honesto mesmo quando não há nenhum tipo de punição por ser desonesto. O Brasil é um país em que os políticos acham que ganham o anel de Giges quando chegam ao poder".

Leia os principais trechos da entrevista:

BBC News Brasil — O sr. já falou que o principal problema do Brasil é a desigualdade de oportunidades. Por que?

Eduardo Giannetti — A condição de vida em que a pessoa nasce é determinante na sua trajetória. Isso é desigualdade de oportunidades. O filósofo político americano John Rawls, de Harvard, propõe um teste da boa sociedade, que é o principio da escolha sob o véu da ignorância. Nessa proposta, a sociedade ideal é a seguinte: você não nasceu ainda, você não sabe qual vai ser a sua condição ao nascer, o nível de renda da sua família, sua família, seu gênero, a cor da sua pele, sua orientação sexual e você precisa eleger uma sociedade na qual você gostaria de nascer, considerando que tudo pode acontecer com você.

Quais seriam as características da sociedade em que você escolheria nascer? É um experimento mental, os filósofos gostam muito desse tipo de exercício. São duas: a sociedade em que a condição do menos favorecido é menos ruim, porque você quer se proteger da pior possibilidade, e a que existe maior permeabilidade para que você possa ascender e melhorar a sua condição com seu próprio esforço. O Brasil está muito longe de aprender isso. Eu não sou a favor da igualdade de resultados, que é improdutiva e injusta ao mesmo tempo.

BBC News Brasil — Em que todos tivessem o mesmo padrão de vida?

Eduardo Giannetti — Em que todo mundo chega igual independente do que se empenhou, do quanto fez, do talento, de quanto valoriza. Felizmente nem todos valorizam o sucesso financeiro da mesma maneira. É bom que o mundo seja assim. Tem pessoas que preferem criar, tem pessoas que preferem ter relações afetivas, uma vida mais rica socialmente. E tem alguns que preferem ser muito focados em sucesso econômico, e também é bom que alguns sejam assim, desde que não seja todo mundo. [...] É natural que haja desigualdade nessa situação, são valores diferentes. O que não dá para aceitar é uma situação em que o ponto de partida já defina de antemão, antes de qualquer escolha que se faça, os vitoriosos e os perdedores no campo econômico. É nisso que o Brasil está.

Tem uma fábula que é uma graça. Duas crianças estão caminhando pela rua e uma delas percebe que tem duas maçãs, uma pequena e uma grande no chão, e entrega a menor pra amiga. A criança que ganha a maçã pequena começa a reclamar: você me deu a maçã pequena, você é tão injusta, você ficou com a maçã grande e me deu a pequena, achei que você fosse minha amiga. Mas a criança que deu a menor disse: peraí, se você tivesse pego as duas maçãs, o que teria feito? Eu teria dado a maior para você. Então por que você está reclamando?

E, no entanto, a que está reclamando tem absoluta razão. Porque uma coisa é essa resultante acontecer de maneira voluntária, porque uma delas abriu mão. A outra é essa desigualdade ser imposta de uma sobre a outra. O que está em jogo não é o resultado, mas o caminho até ele. O caminho tem que ser respeitado. O que o Brasil não tem, definitivamente, é essa legitimidade no caminho.

Em sua próxima obra, o autor de "Trópicos Utópicos" (2016) e "O Elogio do Vira-lata e outros ensaios" (2018), tratará da ética no livro O Anel De Giges, que discute o que leva alguém a ser honesto mesmo quando não há punição por ser desonesto
BBC News Brasil — Por que?

Eduardo Giannetti — O problema vem da nossa formação, do modelo de colonização que prevaleceu na história do Brasil, de monocultura, escravocrata. Um país que retardou absurdamente a abolição da escravatura e que fez a abolição com muita leviandade, muita inconsequência. Para muitos, até piorou a situação. Teve escravo que se ofereceu de volta, porque a vida ficou ainda pior. As distorções do período longo de escravidão não desaparecem da noite para o dia, elas se perpetuam. O caso do Brasil talvez seja um dos países em que as consequências da escravidão têm mais permanência, porque de certa maneira até hoje as consequências da escravidão estão conosco na desigualdade, na desigualdade de oportunidades, principalmente.

BBC News Brasil — Muitos economistas defendem que o crescimento econômico reduziria a desigualdade. O senhor concorda?

Eduardo Giannetti — Não. Isso é discutido há muito tempo e não só no Brasil. A tese é: primeiro é preciso fazer o bolo crescer, para depois distribuir. Tem uma lógica: com a má distribuição de renda você tem mais poupança, porque a propensão de quem ganha mais é fazer mais poupança. A lógica desse raciocínio furado é que você precisava primeiro fazer a poupança, para daí fazer o investimento, para fazer o bolo crescer, e aí distribuir. O que está errado: isso não leva em conta a formação de capital humano.

Se a distribuição de renda e de oportunidades for muito desigual, como é no Brasil, você vai estar sacrificando o principal insumo de um país, que é o capital humano. Gente inteligente, qualificada, bem preparada, formada para agregar inteligência àquilo que faz. Se você não formar capital humano está condenado a ter um país pobre.

O bolo não vai crescer se não tiver capital humano. O bolo não cresce, o país fica medíocre, se você tem uma oferta abundante de mão-de-obra não qualificada. O desafio civilizatório secular do Brasil é a formação de capital humano.

BBC News Brasil — Passada a recessão, muitas pessoas entraram na pobreza, em um momento em que o país está envelhecendo. Que consequência isso traz pro futuro?

Eduardo Giannetti — Um quadro que já é ruim se agrava pela regressão em um país que começava a dar os primeiros passos para reduzir a desigualdade e dar oportunidades. E que depois de uma recessão tão brutal como o país viveu, condena um número crescente de brasileiros a viver abaixo da linha da pobreza extrema. É um retrocesso. Agora, nós cometemos um erro grave, espero que o Brasil tenha aprendido.

Na época da bonança, quando o superciclo das commodities estava nos favorecendo e o Brasil obteve um adicional de riqueza que o mundo lhe transferiu, pela valorização das commodities, em vez de usarmos isso de maneira prudente e inteligente, formando capital humano, nós fizemos uma farra do consumo via crédito, via distribuição direta de renda. Sem dar a devida atenção à infraestrutura humana, ao saneamento, à educação. Nós consumimos de maneira inconsequente uma chance que o mundo nos deu de aprimorar e melhorar de maneira permanente, consistente, nossa capacidade de gerar riqueza e bem-estar.

BBC News Brasil — Devíamos ter investido em quê, naquela época?

Eduardo Giannetti — A falta de prioridade em ensino fundamental no Brasil durante o ciclo tucano-petista é uma das coisas mais incompreensíveis que eu imagino.

BBC News Brasil — Por que esta etapa do ensino, especificamente?

Eduardo Giannetti — Por que se não tiver isso bem resolvido, o resto não vai. E saneamento básico. Estamos em um país em que quase a metade dos domicílios não tem coleta de esgoto. Então o governo transfere bilhões para o Eike Batista, para a JBS, a extravagância foi enorme de usar o dinheiro do BNDES para fazer campeões nacionais, a Oi, entre outros. E não transfere recursos para resolver essas questões muito elementares do século XIX, que são ensino fundamental de qualidade, saneamento básico e transporte público. A coisa do automóvel foi um escândalo também, um monte de incentivo ao setor automotivo para favorecer o transporte de uma elite que tem automóvel no Brasil, enquanto o transporte público foi deixado totalmente de lado e deteriorado. A produtividade continua extremamente baixa, mas nós tivemos a oportunidade de dar um salto e perdemos. O mundo nos deu uma enorme chance e jogamos fora por afã imediatista. Essa recessão pela qual o Brasil passou em 2015 e 2016 foi uma consequência de manter artificialmente as taxas de crescimento em um momento em que não era mais possível fazê-lo.

BBC News Brasil — No governo Dilma?

Eduardo Giannetti — O governo Dilma foi de uma incompetência épica. O primeiro mandato do Lula foi a melhor surpresa de redemocratização, na minha avaliação. Mostrou alternância de poder no Brasil, com serenidade, com racionalidade na política econômica e na política pública. O Brasil parecia que tinha ganhado uma maturidade adquirida. O governo Dilma tentou forçar a mão e gerou uma mega recessão. O enredo do governo Dilma é muito parecido com o governo Geisel. No sentido de que o Geisel pegou a economia pós um boom em um momento em que a economia global não estava mais favorável e quis manter o milagre econômico artificialmente usando poupança externa; gerou a crise da dívida externa. A Dilma pegou uma economia embalada por um ciclo de commodities e tentou manter o embalo do crescimento, mas, em vez do gasto externo, usou o fiscal, perdeu o controle da despesa pública. Gerou a crise fiscal com a qual nós estamos enrolados até hoje. A diferença entre Dilma e Geisel é que um foi dívida externa e o outro foi dívida bruta interna.

BBC News Brasil — O sr. diz que não acertamos nas prioridades nem no governo FHC, nem Lula nem Dilma. E depois da Dilma?

Eduardo Giannetti — Depois da Dilma nós estamos em guerra de guerrilha estamos para fazer o ajuste fiscal. No Temer criou-se a regra de ouro, o teto do gasto, começou a controlar o gasto, parou de crescer o déficit primário. E agora assistimos a continuação desse filme com esse conjunto muito amplo de medidas anunciadas pelo Paulo Guedes. Se não fizesse isso ia se gerar uma crise financeira, estávamos nesse caminho. Se o Brasil não criar o mínimo de ancoragem fiscal, ou seja, um horizonte em que a dívida pública ao longo do tempo se estabiliza, uma estabilidade da relação dívida/PIB daí virava argentina. Temer e Bolsonaro estão desesperadamente procurando ancoragem fiscal na área econômica.

BBC News Brasil — E a parte social? Essa multidão de novos pobres era inevitável por causa da recessão?

Eduardo Giannetti — Não. Não era inevitável. É compreensível que aumente, mas se se nós tivéssemos políticas públicas bem desenhadas poderíamos atenuar e até reverter muito esse quadro desastroso de piora da desigualdade de piora da pobreza extrema.

BBC News Brasil — Então esse foi um erro dos últimos governos?

Eduardo Giannetti — É um problema que não é simples, porque hoje 93% do orçamento do governo Federal é gasto obrigatório. A margem de manobra para usar o dinheiro de maneira melhor é muito pequena e, para ajustar o fiscal, vai se comprimindo os gastos discricionários, inclusive o investimento. É complexo. Agora o que não dá para entender é que o Brasil tem uma carga tributária de 33% do PIB; de cada três reais de valor que o Brasil cria com o trabalho, um vai para o governo. Temos um déficit nominal, a diferença entre o que o Brasil arrecada e gasta, de 6% do PIB. Então estamos em um país em que 39% de todo o valor criado pela sociedade é intermediado pelo Estado brasileiro. E o ensino fundamental é deplorável, a saúde pública é vergonhosa, metade dos domicílios não têm saneamento básico, a segurança pública é péssima, como a educação. Tem muita coisa errada no setor público brasileiro.

BBC News Brasil — Com tantos vulneráveis, o Estado não tem que ser grande?

Eduardo Giannetti — O que não dá para tolerar é que com essa carga tributária e esse déficit nominal os recursos não apareçam para a sociedade, esse é o problema. Mas porque isso não acontece? Por que gasta com a Previdência dos ricos, o Estado gasta com ele mesmo.

BBC News Brasil — Para manter privilégios?

Eduardo Giannetti — Na Previdência é privilégio. A conta de juros, que está caindo agora, também é muito alta. Você tem 5.570 municípios no Brasil, eu falo isso há 10, 15 anos. Cidades que não têm sequer um posto de saúde decente têm câmara de vereador. Aí você pega educação, o Estado brasileiro gasta uma fatia alta das verbas que destina a educação para financiar a educação dos ricos no ensino superior. Eu não me conformo com isso, é regressivo. Tem que ter uma regra de ouro em que ninguém deixa de fazer universidade porque não pode pagar. Para mim é uma regra de ouro. Mas quem pagou o ensino médio e fundamental porque para de pagar quando chega na parte mais cara da educação? Não dá para justificar. Isso é privilégio também.

BBC News Brasil — Falando do governo Bolsonaro. O senhor diz que um desafio importante, junto com a desigualdade e educação, é o meio ambiente. Como tem visto a atuação nessa área?

Eduardo Giannetti — O governo Bolsonaro tem três vetores, três núcleos razoavelmente bem definidos. O núcleo econômico, liderado pelo Paulo Guedes, tem o núcleo militar, que cuida das áreas de segurança, de geopolítica, e tem o núcleo que eu chamo familiar astrológico. O menos ruim dos três, na minha opinião, é o núcleo econômico. Está longe do que eu imaginaria ser o melhor para o Brasil, mas tem boas intenções e está caminhando na direção correta. O núcleo familiar astrológico é tenebroso, e ele domina áreas muito importantes, que não podem ser desconectadas do resto.

BBC News Brasil — Que áreas?

Eduardo Giannetti — Meio ambiente, educação, direitos humanos. Achar que o liberalismo econômico pode existir independentemente do que acontece nessas áreas é um equívoco grave. A questão do meio ambiente, por exemplo, se for muito mal encaminhada, como vem sendo, vai isolar o Brasil da economia mundial. Vamos passar a sofrer boicotes.

BBC News Brasil — Pode atrapalhar o acordo com a União Europeia?

Eduardo Giannetti — Vai atrapalhar, o agronegócio brasileiro vai ser prejudicado. Vai ser prejudicado por boicotes internacionais e, no longo prazo, vai ser prejudicado por desequilíbrio ecológico interno. Não tem agronegócio sustentável sem a floresta Amazônica de pé.

BBC News Brasil — O governo autorizou na semana passada, por exemplo, o plantio de cana na Amazônia e no Pantanal, revogando um decreto de 2009. Que achou?

Eduardo Giannetti — Isso é um retrocesso inaceitável, a área econômica não devia se omitir em relação a isso.

BBC News Brasil — Não dá para a equipe econômica considerar que, se avançar a agenda liberal, tudo vai dar certo?

Eduardo Giannetti — Isso é uma visão míope e tacanha do liberalismo. E o próprio agronegócio precisa perceber que o futuro dele vai se comprometer se não soubermos usar bem o nosso patrimônio ambiental. O regime pluviométrico não só do centro-oeste, mas do Brasil, do qual depende o agronegócio brasileiro, está muito ligado à preservação do patrimônio ambiental da Amazônia. Podemos estar deflagrando mecanismos de feedback que se autoalimentam que vão tornar o Brasil menos produtivo ainda naquele setor que segura nossa balança comercial e nossa produtividade, que é o magnífico agronegócio. Não dá para separar. Educação é um problema totalmente econômico gritante. Não é um problema de aluno e professor, de ideologia. É uma questão de formação de de capital humano, para qualquer modelo econômico.

BBC News Brasil — Vê efeito da segmentação do debate? Meio ambiente virou coisa de esquerda, contas públicas de direita...

Eduardo Giannetti — Essas divisões são grandes artificialismos são convenções. Educação é um assunto fortemente econômico, meio ambiente fortemente econômico, assim como, para essas áreas o bom andamento da economia também é fundamental, senão não tem recursos para investir em educação, para fazer a preservação ambiental, tudo isso está interligado. Achar que vai tratar educação, relações internacionais e meio ambiente como brinquedo núcleo familiar astrológico é um equívoco gravíssimo.

BBC News Brasil — O senhor participou da campanha eleitoral, em momentos diferentes. Acredita que a situação estaria melhor se Marina tivesse sido eleita?

Eduardo Giannetti — Ninguém é bom juiz em causa própria. Mas não precisava ser tão ruim quanto está sendo.

BBC News Brasil — O senhor vê risco para a democracia, mantendo o caminho atual?

Eduardo Giannetti — Eu vejo risco sim. Eu vejo um risco de polarização raivosa na eventualidade de Lula saindo da cadeia (A reportagem falou com o economista na quinta-feira, 7, antes da saída do ex-presidente, que foi no dia 8). Aliás, nada interessa mais ao grupo bolsonarista do que repolarizar com o Lula de novo ameaçando. Não estou dando opinião, mas que interessa ao grupo radical a repolarização raivosa porque aglutina, eu não tenho dúvida. Esse é um risco.

Outro risco é um conflito entre poderes. A crise institucional tem um enredo conhecido. Nós temos três poderes na República, no momento em que um poder tomar uma decisão soberana que é pertinente e outro poder não respeitar, está estabelecido um impasse. São três poderes, pode acontecer de muitas maneiras.

Dado o perfil do atual Executivo, a possibilidade de um impasse assim acontecer até o fim do mandato não é nula, acho que não é nem desprezível. Então precisa prestar muita atenção e tomar muito cuidado. À toa à toa nós podemos caminhar e já tivemos no passado muito perto disso.

BBC News Brasil — Por exemplo?

Eduardo Giannetti — Por exemplo, quando o Supremo julgou o início do processo em relação ao Aécio Neves, que já tinha sido absolvido no Congresso. Se o Supremo votasse pelo início do processo ele ia perder o mandato e a decisão do Supremo ia afrontar o que o Congresso tinha decidido. Eu me lembro perfeitamente do constrangimento da presidente do STF, que era a Carmen Lúcia, claramente votando contra a consciência dela para não esticar a corda e não correr o risco de um impasse constitucional. Ela votou pela não-abertura do processo contra o Aécio Neves; absolutamente transparente o constrangimento para não correr o risco de criar um impasse constitucional em um momento de fragilidade do país. E nós tivemos muito perto disso.

BBC News Brasil — A saída do Lula e essa repolarização aumentam esse risco?

Eduardo Giannetti — A resposta para a sua pergunta é sim.

BBC News Brasil — E a Lava-jato? Qual o saldo dela?

Eduardo Giannetti — Altamente positivo, apesar da decepção de todos nós que torcemos pela Lava-Jato de saber que, no afã de fazer justiça, houve um atropelo do devido processo legal. No afã de fazer justiça. Agora eu acho a Lava-Jato absolutamente um ponto de inflexão em um quadro de impunidade crônica dentro do qual o Brasil sempre viveu.

BBC News Brasil — Continua positivo?

Eduardo Giannetti — Altamente positivo. Não obstante o desapontamento com esse afã justiceiro que atropela em alguns momentos o devido decoro da legalidade.

BBC News Brasil — Como o senhor vê o futuro?

Eduardo Giannetti — Pelo menos uma vantagem existe em se ter uma certa idade. Eu já vi muita coisa. Já vi o país completamente desesperançado.

BBC News Brasil — Quando?

Eduardo Giannetti — Houve momentos do governo Sarney, para não falar na ditadura. Vamos pegar da redemocratização para cá. O confisco que o Collor fez foi uma coisa de uma violência. Eu não sou uma pessoa de certezas muito pronunciadas, mas tenho uma tranquilidade. O que o Brasil está vivendo é um capítulo sombrio, mas que vai terminar.

Nós entramos nisso por conta dessa polarização raivosa que se instaurou e que nos levou para uma interdição da possibilidade de diálogo construtivo. Olhando em retrospecto o que chama muita atenção para mim politicamente é o seguinte: PT e PSDB são dois agrupamentos surgidos da oposição à ditadura militar e com programas que não são tão diferentes assim. Têm muitas áreas de vizinhança e de proximidade. PT e PSDB disputaram seis eleições seguidas entre si. Jamais foram capazes de coordenar e cooperar em nome dos seus objetivos comuns.

Preferiram governar com o que há de mais sinistro da política brasileira do que conversar, ao invés de trabalharem juntos. Isso nos trouxe para o colo desse retrocesso. O ponto de virada foi o desastre económico da Dilma. Eu espero que tenha ficado o aprendizado de que se nós do campo democrático não soubermos trabalhar juntos, nós vamos favorecer os radicais da pior espécie.

BBC News Brasil — Mas vê alguém trabalhando nesse sentido?

Eduardo Giannetti — Eu espero que sim e acho que é o que precisa acontecer. Se nós nos fragmentarmos e nos dividirmos e ficarmos incapazes de mostrar que somos a maioria da sociedade, porque somos, vamos abrir o caminho para o flanco. Eu estudei muito na última eleição o que aconteceu na república de Weimar, na Alemanha, que abriu o caminho pré-Hitler. Hitler foi eleito. Por que? Porque os sociais-democratas e os comunistas passaram a ver um no outro o seu pior inimigo. Os comunistas chamavam os sociais-democratas de social facistas, e os social-democratas achavam que o comunismo ia levar para o bolchevismo. Quem aproveitou isso e quem cresceu com essa briga? O nazismo.

BBC News Brasil — E isso pode se reverter já nas próximas eleições?

Eduardo Giannetti — Eu não tenho bola de cristal para ver isso, mas eu acho que lideranças novas podem reencontrar o espaço do diálogo de quem tem uma visão compartilhada sobre democracia, sobre direitos humanos, sobre redução da desigualdade.

BBC News Brasil — O senhor tem conversado com alguém? Luciano Huck?

Eduardo Giannetti — Não. Mas eu acho que vão começar a surgir lideranças, isso é natural. Mas espero que tenhamos aprendido que se não houver cooperação, entendimento entre os que são contra o radicalismo, especialmente de direita, o radicalismo prevalece. Essa onda que elegeu Bolsonaro por muito pouco não elegeu Marina em 2014.

O desapontamento com o status quo da política brasileira esteve muito perto, mas muito perto, de eleger a Marina em 2014, que era uma saída democrática e construtiva. Pela violência da campanha, a Marina não teve a chance de sequer chegar ao segundo turno. Mas esteve muito perto por um momento depois da morte do Eduardo Campos. Essa mesma onda de raiva, desapontamento e rejeição com a política brasileira elegeu o Bolsonaro. Nós saímos da pior maneira possível.

Entrevista concedida a Ligia Guimarães
Da BBC News Brasil em São Paulo

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Toffoli reage ao radicalismo de Lula. "A Justiça não tolerará uma crise institucional".

O Presidente do STF, Ministro Dias Toffoli, rebateu ontem à noite, sem citar nomes, os discursos de Lula conclamando as esquerdas ao confronto contra os Poderes da República.

- “O Judiciário e a Justiça são feitos para a pacificação social. Se alguém quer se valer da Justiça para uma luta social, não vai conseguir. A Justiça não tolerará uma crise institucional e saberá agir a tempo e a hora”, afirmou.

Para Dias Toffoli, “radicalismo não leva a lugar nenhum. O que se espera é que as pessoas tenham serenidade e pensem no Brasil”. O presidente do Supremo declarou, ainda, que “a nação brasileira é devedora das Forças Armadas para a construção do Brasil e para a unidade nacional, assim como o Judiciário”. E completou: “O Judiciário saberá agir no momento certo”.

O texto de Tânia Monteiro, publicado hoje em O Estado de São Paulo, lembra que foi o voto de desempate do Presidente do STF que "permitiu a presos condenados, como Lula, aguardarem em liberdade até que todos os seus recursos sejam julgados pela Justiça, o que pode levar anos.

A decisão mudou entendimento anterior da Corte pelo qual era possível o cumprimento da pena a partir da condenação em segunda instância.

Desde o julgamento do Supremo, na última semana, além de Lula foram soltos vários outros presos pela Operação Lava Jato. Entre eles, o ex-ministro José Dirceu.

Lula fez dois discursos após deixar a prisão nos quais criticou as instituições brasileiras. Num deles, disse que foi condenado pelo “lado podre do Estado brasileiro, o lado podre da Justiça, o lado podre do Ministério Público, o lado podre da Receita Federal, o lado podre da Polícia Federal, que trabalharam para tentar criminalizar o PT, criminalizar o Lula.”

José Dirceu, com que Lula se encontrou horas após os dois serem soltos na sexta-feira, também incitou os “esquerdistas” a saírem do imobilismo. “Estou de novo na trincheira da luta. Agora não é mais do Lula livre. Agora é para nós voltarmos e retomarmos o governo do Brasil. Nós somos petistas, de esquerda e socialistas”, convocou. Os discursos animaram a militância nas redes sociais.

As manifestações realizadas pelo PT e os demais partidos que apoiam Lula causaram enorme preocupação nas Forças Armadas, que temem um enfrentamento que fuja ao controle, provocando caos na ordem pública. O governo está acompanhando atentamente a todas as mobilizações previstas para evitar que se repitam no Brasil protestos radicais como acontecem em países vizinhos."

Desafeto de Lula, Villa é insuspeito. Fala Villa!

Marco Antonio Villa, Professor de História por 30 anos na Universidade de São Carlos - SP, conhece Lula desde quando ele usava bigode e se destacava como líder sindical em São Bernardo do Campo nas memoráveis greves do ABC.

Observador atento do cenário político brasileiro, tem dezenas de livros publicados e por suas opiniões em artigos na imprensa e comentários ao vivo em programas de rádio e da TV já foi processado e sempre absolvido várias vezes, inclusive por Lula e até Bolsonaro.

Eis aqui sua análise sobre os fatos mais recentes na República do Brasil:




domingo, 10 de novembro de 2019

O que seu cocô revela sobre sua classe social

Em estudo inédito, pesquisadores usaram dados sobre fezes para buscar indicadores socioeconômicos.

Um laboratório da Universidade de Queensland, na Austrália, está armazenando algumas amostras incomuns: as fezes de mais de um quinto da população do país.

As amostras, coletadas em estações de tratamento de esgoto em todo o país, congeladas e enviadas pelos Correios para pesquisadores da universidade, foram descritas como um tesouro de informações sobre os hábitos alimentares e de consumo de medicamentos de diferentes comunidades.

À frente da pesquisa estão Jake O'Brien e Phil Choi. Eles coletaram essas amostras durante o último censo nacional da Austrália, em 2016 e, no primeiro estudo do tipo, analisaram as fezes para medir diferentes hábitos alimentares e de estilo de vida.

Em linhas gerais, os pesquisadores descobriram que, quanto mais rica a comunidade, mais saudável é sua dieta. Nos estratos socioeconômicos mais altos, o consumo de fibras, cítricos e cafeína era maior. Nos mais baixos, medicamentos prescritos apresentaram uso significativo.

Pesquisadores coletaram amostras de estações de tratamento de esgoto em todo país.

O estudo tentou colocar em prática aquilo que os pesquisadores há algum tempo pressupõem: as fezes fornecem informações valiosas sobre o consumo de alimentos e medicamentos de uma comunidade.

Extrair informações sobre as comunidades examinando seus dejetos é chamado epidemiologia das águas residuais. A prática existe há cerca de duas décadas e é usada predominantemente para monitorar o uso de drogas ilícitas nas populações. Esse método tem a vantagem de fornecer informações mais objetivas sobre uma área mais específica.

Alguns estudos já testaram o uso de drogas legais, como a nicotina; outras equipes de pesquisa estão usando esse tipo de material na detecção precoce de surtos de doenças.

Mas o uso dos dejetos como indicador da alimentação tinha ficado, até agora, majoritariamente na teoria.

Choi diz que, quando perguntadas sobre coisas como uso de drogas ou alimentos consumidos, as pessoas às vezes relatam hábitos mais saudáveis ​​do que realmente têm.

"Você geralmente encontra em pesquisas que as pessoas relatam excessivamente o consumo de alimentos saudáveis ​​e um consumo baixo de itens como salgadinhos", diz Choi.

A análise de águas residuais pode ser útil principalmente de duas maneiras, diz O'Brien. A primeira consiste em identificar disparidades entre comunidades; e a segunda, em rastrear mudanças nessas comunidades ao longo do tempo.

"Se você tentar implementar algo que espera gerar uma mudança positiva, precisará medir o sucesso dessas intervenções", diz ele.

A correlação da cafeína

Encontrar exatamente o que poderia ser testado foi o desafio inicial para pesquisadores. Afinal, os dejetos contêm não apenas urina e fezes, mas frequentemente também resíduos de produtos de higiene e beleza, restos de comida e produtos industriais.

Assim, a equipe precisou encontrar biomarcadores específicos relacionados a alimentos que são apenas ou predominantemente produzidos pela excreção humana.

Cítricos são indicadores de uma dieta saudável, assim como fibras
O estudo utilizou dois biomarcadores associados ao consumo de fibras e um relacionado à ingestão de cítricos — itens da alimentação considerados característicos de uma dieta saudável.

Em todos estes indicadores, as comunidades com os melhores níveis socioeconômicos apresentavam forte correlação com o consumo. Em outras palavras, de um modo geral, as áreas mais ricas tinham dietas mais ricas em fibras e cítricos.

Também se constatou que a ingestão de cafeína é maior nos estratos superiores, especificamente em áreas onde o preço do aluguel é alto — o que já foi reforçado por outros estudos que mostraram que café expresso e moído são mais frequentemente consumidos por pessoas com no mínimo diploma de graduação.

Os pesquisadores apontam que, entre os australianos, os mais ricos têm mais motivações culturais e econômicas para consumir mais café.

Na outra ponta, as comunidades mais pobres apresentaram mais resíduos de medicamentos, em particular o tramadol (analgésico à base de opioides); atenolol (remédio para pressão arterial); e pregabalina (anticonvulsivo). No entanto, as duas últimas foram também associadas às populações mais velhas, que também podem tender a ter uma renda mais baixa.

Verificou-se que outros analgésicos, medicamentos e antidepressivos estão relacionados a menor nível socioeconômico, mas não na mesma dimensão.

Os pesquisadores esperam repetir a pesquisa no próximo censo, obtendo, dessa maneira, informações sobre se alguma mudança pode estar acontecendo e que outros métodos de pesquisa ainda podem ser descobertos ou aprimorados.

Por exemplo, neste estudo, o uso de antibióticos é distribuído de maneira bastante uniforme entre diferentes grupos socioeconômicos, indicando que o sistema de saúde subsidiado pelo governo está fazendo seu trabalho; caso essa distribuição comece a mudar em pesquisas futuras, isso poderá ser constatado em novas rodadas.

Cafeína se mostrou mais presente nas águas residuais dos australianos que vivem em bairros com aluguéis mais altos

Desigualdade refletida na saúde

O estudo confirma um fenômeno global conhecido como gradiente social da saúde, em que bons indicadores, como relacionados ao tabagismo e à obesidade, estão associados a melhores níveis socioeconômicos.

Embora os australianos acreditem que o país é igualitário, a desigualdade, conforme indicado pelo estudo das águas residuais, é um problema ainda não solucionado.

Um relatório de 2018 constatou que a Austrália apresentava níveis de desigualdade de renda acima da média da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), embora apareça como mais igualitária que o Reino Unido e os EUA.

Um australiano entre os 20% mais ricos tem cinco vezes mais renda do que alguém que vive no quintil inferior. E, de um modo geral, mais dinheiro significa uma maior capacidade de comprar alimentos perecíveis, como frutas e legumes; uma maior escolaridade indica maior domínio de informações sobre nutrição.

Mas o estudo encontrou uma exceção significativa nessa relação entre classe e dieta: áreas com uma alta proporção de domicílios que não falam inglês também apresentaram taxas relativamente altas de consumo de fibras e cítricos, apesar de terem indicadores socioeconômicos inferiores. Isso possivelmente reflete a forte presença de alimentos naturais na dieta tradicional de imigrantes.

Catherine Bennett, diretora de epidemiologia da Universidade Deakin, em Victoria, diz que o estudo de Queensland é interessante por aprimorar a epidemiologia das águas residuais. Os pesquisadores também deixaram claras suas limitações, avalia ela.

"Tudo o que foi dito é o que chamamos de estudo ecológico em epidemiologia. O termo quer dizer que não estamos usando dados individuais, mas coletivos", diz Bennett.

A pesquisadora lembra que esses estudos já foram usados, por exemplo, para verificar se houve redução no consumo da nicotina após a introdução de embalagens padronizadas de cigarro na Austrália.

"O que você não sabe é se todos os fumantes estão fumando menos ou se há menos fumantes na comunidade. Sempre precisamos ser um pouco cautelosos ao analisar esses estudos, porque trata-se de uma associação no sentido mais amplo, não é possível estabelecer relações rígidas de causalidade."

Os estudos sobre nicotina, assim como a pesquisa recente sobre dieta e medicamentos, são validados no conjunto, com outras pesquisas.

"É uma oportunidade realmente interessante, desde que não tentemos interpretar demais os dados", diz Bennett.

Após a validação dos dados, acrescenta, o método "é uma maneira útil de monitorar de perto o que está acontecendo nas camadas da população".

(Texto: Celina Ribeiro, da BBC News Brasil).

Inelegível, mas com o megafone da oposição

O discurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que atacou Jair Bolsonaro (PSL) e convocou a militância e a oposição a se mobilizarem, reverberou a estratégia que apoiadores do petista já mencionavam nos bastidores do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, onde ele foi recebido neste sábado (9/11), um dia após ser libertado.

Lula saiu da prisão em Curitiba no fim da tarde da última sexta-feira, depois de 19 meses, após uma decisão tomada no dia anterior pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que vetou a chamada execução antecipada da pena — impedindo que réus fossem presos após julgamento em segunda instância e antes do esgotamento de todos os recursos possíveis.

Para aliados do ex-presidente, ele sai da prisão para ser um "megafone" e um "camisa 10" da oposição ao atual governo — embora tenha sido solto, Lula segue inelegível.

No entanto, Bolsonaro afirmou também neste sábado que ele e seus aliados não vão "dar espaço e contemporizar com presidiário".

Lula diz que 'esquerda pode vencer ultradireita' em 2022 e ataca Bolsonaro: 'governa para milicianos'.

Neste sábado, Lula discursou diante uma multidão em São Bernardo do Campo. "Tem gente que fala que precisa derrubar o Bolsonaro. Ele foi eleito democraticamente, então, nós aceitamos o resultado da eleição. Mas ele foi eleito para governar para o povo brasileiro e não para os milicianos do Rio de Janeiro. A gente não pode permitir que milicianos acabem com esse país", afirmou.

"[Bolsonaro] tem que explicar onde que está o [Fabrício] Queiroz, ele tem que explicar como ele construiu um patrimônio de 17 casas", falou o ex-presidente, se referindo ao ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) investigado sob suspeita de desviar recursos públicos.

Lula criticou a agenda econômica do governo Bolsonaro, em especial os projetos de privatização e a proposta de congelamento de reajustes acima da inflação para o salário mínimo por dois anos.

O ex-presidente chamou o ministro da Economia, Paulo Guedes, de "ministro demolidor de sonhos, destruidor de empregos" e relativizou ainda o benefício da redução da taxa Selic, que se encontra em mínima histórica.

Lula afirmou ainda que a esquerda precisa "fazer mais" e que não pode apenas "resistir", mas que precisa "partir para o ataque" para conquistar as urnas em 2022.

"Se a gente se organizar direitinho, a chamada esquerda, de que o Bolsonaro tem tanto medo, vai derrotar a ultradireita", disse o ex-presidente, que afirmou que voltará a percorrer o país.

'Lula vai ser um megafone'.

"A fala do Lula caminha para ser uma fala ao estilo (Nelson) Mandela, de reconstrução", diz Gilberto Carvalho, ex-ministro-chefe da Secretaria-geral da Presidência da República durante os governos do PT, à BBC News Brasil.

Segundo Carvalho, o discurso de Lula daqui para frente "vai se concentrar nos pobres que estão fora do orçamento, e na defesa do patrimônio nacional, que está sendo espoliado".

Ele repete a expressão citada por outros companheiros de partido: "O Lula vai atuar como um megafone".

O ministro Paulo Guedes e o presidente Jair Bolsonaro foram dois dos principais alvos de Lula em sua fala no ABC
Para o dirigente, além da pauta econômica, essa "força no discurso" de Lula também deve ser usada também para mobilizar ainda mais a juventude de esquerda contra o governo Bolsonaro.

"O que a gente não pode é achar que essa juventude, que é politizada mas não partidarizada, vai se encaixar nas estruturas do PT. Não tenho a resposta sobre como isso deve ser feito."

O presidente Bolsonaro, que vinha mantendo silêncio sobre a libertação de Lula desde quinta-feira, comentou brevemente o assunto na manhã de sábado.

"A grande maioria do povo brasileiro é honesto, trabalhador, e não vamos dar espaço e contemporizar com presidiário", disse. "Ele está solto, mas está com todos os crimes dele nas costas."

Lula estava preso desde abril de 2018, após ser condenado a mais de oito anos de prisão em segunda instância pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro pelo caso do tríplex do Guarujá. Mas o processo ainda tem recursos pendentes, ou seja, não transitou em julgado, o que levou à sua soltura após a decisão do STF na última quinta-feira.

O ex-presidente também já foi condenado em primeira instância a 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro, ao ser considerado culpado de receber propinas das construtoras OAS e Odebrecht por meio de reformas em um sítio em Atibaia, no município do interior paulista.

Ele ainda é réu em mais sete processos e esteve envolvido em outros dois casos: em um deles foi absolvido, após ser acusado de crime de obstrução de Justiça, e, em outro, a denúncia rejeitada por falta de provas.

Com Lula, a oposição muda de patamar, diz Gleisi.

A deputada federal Gleisi Hoffman, presidente do PT, afirma que, a partir da soltura do ex-presidente, a oposição a Bolsonaro vai se reorganizar. "O Lula tem a voz forte, que reverbera. Ele com a maioria dos brasileiros. A partir de hoje, temos um novo patamar de oposição", diz.

Do outro lado, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), tuitou que quem vai ser reorganizar é o antipetismo. "A revolta e indignação da sociedade com a impunidade volta à tona novamente com a soltura de Lula. Isso vai criar uma atmosfera em que novamente deixaremos pequenas diferenças de lado e ocorrerá uma união em torno do antipetismo", disse.

O ex-senador petista Lindberg Farias afirma que o ex-presidente e o PT, passada a campanha pela libertação de Lula, vão se concentrar justamente neste aspecto econômico do governo de Bolsonaro. "O Bolsonaro muda de agenda todos os dias. Lula vai falar da economia, sobre emprego e a vida do povo. Isso ele sabe fazer", diz.

Para Farias, Lula é o novo "camisa 10" da oposição. "Ele é o grande líder da oposição, que está batendo muito cabeça. Agora, não : ele vai nos dirigir, porque é nosso tenente, nosso capitão."

O deputado federal Alexandre Padilha (SP), ex-ministro da Saúde da Dilma Rousseff e cotado para a candidatura do PT à Prefeitura de São Paulo em 2020, afirma que Lula deve percorrer o país para se contrapor ao que classifica como uma postura antidemocrática do atual governo.

"Vocês vão ver o Lula construindo a frente necessária para a defesa da democracia e para estancar qualquer iniciativa desse estado policial e judicial", diz Padilha à BBC News Brasil.

Os petistas ainda evitam colocar Lula como um possível sucessor de Bolsonaro nas próximas eleições presidenciais. "2022 ainda está muito longe", afirma Carvalho.

Até porque o ex-presidente, mesmo solto, está inelegível em virtude de sua condenação no caso do tríplex. Em vigor desde 2010, a Lei da Ficha Limpa determina a inelegibilidade por oito anos após o cumprimento da pena de políticos que tenham sido condenados em processos criminais em segunda instância.

Mas há uma esperança no PT de que os processos contra Lula frutos da operação Lava Jato sejam anulados. A defesa do petista afirma que a atuação do ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sergio Moro, na ação foi parcial. Moro refuta essa acusação.

Questionado se a próxima campanha eleitoral começou hoje, o ex-candidato à presidência Fernando Haddad responde rapidamente: "Hoje, começou a democracia".

(Texto: Leandro Machado e Felipe Souza
Da BBC News Brasil em São Paulo).

A volta da corrupção, perturbação à vista

Em seu primeiro comentário sobre a libertação do ex-presidente Lula e seus impactos no governo de Jair Bolsonaro, o principal articulador da nova direita internacional, Steve Bannon, classifica o petista como "o maior ídolo da esquerda globalista do mundo" desde a saída de Barack Obama do governo dos EUA, e afirma que sua volta às ruas trará "enorme perturbação política ao Brasil".
Em entrevista exclusiva à BBC News Brasil, o CEO da campanha de Donald Trump à presidência e ex-estrategista-chefe de governo do republicano chama Lula de "cínico e corrupto", diz que o petista foi corrompido pelo poder e sugere que seu retorno significará a "volta da corrupção" ao Brasil.
"Agora que está livre, Lula vai virar um imã para a esquerda global se intrometer na politica brasileira. Ele é o "poster boy da esquerda globalista", diz.
O americano, por outro lado, avalia as investigações sobre o uso de laranjas no PSL e suposto caixa 2 na campanha de Bolsonaro à presidência como "puro non-sense" e uma tentativa do establishment de boicotar o governo. "Aconteceu o mesmo com Trump."
Na visão de Bannon, que cancelou recentemente viagens ao Brasil, à Inglaterra, à Itália e à Austrália para estruturar uma força-tarefa contrária ao processo de impeachment contra Trump, nos EUA, é "bastante evidente" que o STF (Supremo Tribunal Federal) agiu para atrapalhar Bolsonaro ao decidir que réus só devem ser presos após se esgotarem as possibilidades de recursos - o que permitiu a libertação de Lula da carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, na última sexta-feira
Questionado sobre se estes revezes, somados à volta da esquerda na Argentina e a derrota do aliado Matteo Salvini, na Itália, representaria a derrocada da onda da direita nacionalista populista, Bannon reconhece "obstáculos no caminho", mas reage com as habituais críticas à imprensa.
"Isso é ilusão. nós ainda estamos nos primeiros passos, isso é uma revolução", diz
Para Bannon, a liberdade de Lula pode ajudar a consolidar a base de apoio de Bolsonaro em torno da aprovação de reformas, ao mesmo tempo em que pode unificar a esquerda em torno do ex-presidente.
"Mas não ache que isso não vá vir sem um preço", alerta.
Leia a seguir os principais trechos da entrevista:
LulaDireito de imagemEPA/FERNANDO BIZERRA JR.
Image captionPara Bannon, Lula é 'cínico e corrupto'
BBC News Brasil: Como estão as coisas com o processo de impeachment do presidente Donald Trump nos EUA?
Steve Bannon: Criamos um portal e estamos fazendo transmissões diárias, com notícias 24 horas, podcasts. Começamos há duas semanas porque nada estava sendo feito, não havia um local centralizado e é preciso ter para dar respostas às fake news, teorias de conspiração e de caça às bruxas. Ela (Nancy Pelosi, líder do partido democrata na Câmara dos EUA) está dando uma aula magna em guerra política. Então é preciso organizar as forças para contrapor. Isso vai ser grande, bem grande.
BBC News Brasil: A ideia nessa entrevista é ouvi-lo também sobre Bolsonaro, Lula e o que está acontecendo no Brasil.
Bannon: Veja, o Brexit, 2016 (eleição de Donald Trump) e até Bolsonaro são fatores intrinsecamente ligados. Brexit e 2016, definitivamente conectados,e Bolsonaro de forma decorrente. Você vê as mesmas coisas acontecendo. É irônico que no Halloween, em 31 de outubro, eles votaram para formalizar o processo de impeachment nos EUA no exato mesmo dia em que o Reino Unido não deixou a União Europeia como previsto, três anos depois (do referendo do Brexit).
E o voto da nova eleição geral do Reino Unido, em 12 de dezembro, vai provavelmente acontecer a poucos dias do voto do impeachment contra Trump. Acabam de definir que vai ser em meados de dezembro. Então, essas coisas mostram a ordem estabelecida se recusando a reconhecer o poder desse movimento populista e nacionalista.
E Bolsonaro, Lula e o Judiciário permitindo que Lula saia da prisão, isso vai fortalecer Bolsonaro. Acho que os seguidores dele verão a importância de continuar empurrando a agenda dele com um senso extra de urgência. Mas acho que isso vai causar uma perturbação enorme no Brasil, potencialmente enorme.
BBC News Brasil: Por quê?
Bannon: Acho que Lula é um dos políticos e indivíduos mais cínicos e corruptos no mundo. Obama se referiu a esse cara como "o cara". Literalmente, entre aspas, "o cara" e ria.
Lula é o esquerdista o mais celebrado da história do mundo. O que eu chamo reino do terror financeiro e da corrupção… Foi Lula que fez essa roda girar em conchavo com um bando de políticos corruptos brasileiros.
Lula é uma figura trágica. Dado de onde veio e sua ascensão política, havia muitas, muitas coisas boas que ele estava fazendo. Mas ele é alguém que foi corrompido por dinheiro e poder. É evidente e, para mim, isso agora vai causar uma enorme perturbação política no Brasil.
Foi o que aconteceu no Reino Unido e nos EUA. Nos EUA, Nancy Pelosi e as forças da esquerda e da ordem estabelecida forçaram os EUA a uma crise constitucional neste fim de ano, junto à temporada de feriados. No Reino Unido, há uma crise constitucional no Reino Unido. Essencialmente, haverá um segundo referendo sobre o Brexit. As forcas antidemocráticas ganharam, elas tiraram as pessoas do caminho.
A mesma coisa no Brasil, isso vai levar o Brasil a uma crise constitucional, porque agora há um líder ativo da oposição, que deveria estar preso, agora solto e pronto para dar fôlego a seu grupo e tentar impedir tudo o que Bolsonaro está tentando fazer.
BBC News Brasil: Quando o Sr. fala em enorme perturbação, está falando de que exatamente?
Bannon: Tentar parar o movimento de reformas de Bolsonaro, que claramente se contrapõe a muito da corrupção que emanava no escândalo da Lava Jato e outros. A reforma da Previdência, toda a reestruturação financeira, e a retirada da corrupção do sistema.
Segundo, acho que Lula vai tentar criar problemas sobre a Amazônia. O que ele traz consigo é uma rede da esquerda marxista e cultural. Traz os recursos, os globalistas, e traz na forma de um populismo de esquerda. Mas ele é um globalista e eles sempre o apoiaram. Particularmente nesse momento sensível, as forcas globalistas vão tentar interferir nos direitos absolutamente nacionais da população brasileira, que tem o direito de tomar conta da Amazônia.
BBC News Brasil: O Sr. acha que este cenário permitiria ao presidente Bolsonaro eventualmente escalar a repressão policial ou militar?
Bannon: Não, de jeito nenhum. Acho que Lula vai fortalecer as forças populistas de Bolsonaro para dizerem "Temos que fazer essas reformas o quanto antes". Acho que isso é um tiro que ajuda a consolidar o controle de Bolsonaro e colocar um senso de urgência a seus seguidores.
Agora que está livre, Lula vai virar um imã para a esquerda global se intrometer na politica brasileira. Ele é o "poster boy da esquerda globalista". Entre todos no mundo, ele é o maior ídolo, agora que Obama está fora da política. E até Obama se referiu a ele. Com Lula, toda a corrupção antiga vai voltar.
BBC News Brasil: Para muitos analistas, a saída de Lula da prisão aumentaria a polarização no Brasil e isso poderia ser positivo para o presidente Bolsonaro, já que ele enfrenta problemas dentro do seu próprio partido…
Bannon: Espere, espere. Previ a vitória de Bolsonaro quando ele tinha 5% das intenções de voto e disse que ele ganharia quase no primeiro turno. Acho que é positivo por mostrar que é preciso haver urgência e consolidação em torno de Bolsonaro e de seu projeto, mas não acredite que isso não vá vir sem um preço.
A razão de ser preciso mostrar urgência em ajudar seu programa é o fato de que ele agora vai ser desafiado por um "rockstar" internacional da esquerda globalista. Não vai ser tranquilo.
Olhe para o Reino Unido e para os EUA, os dois países estão passando por terremotos. Acho que o processo de impeachment pode potencialmente fortalecer o presidente Trump e acho que a eleição pode fortalecer o movimento de saída do Reino Unido da União Europeia, mas é um teste, é desestabilizador e ninguém sabe no que isso vai dar. Ninguém pode prever nada, cada dia agora é importante.
BBC News Brasil: O Sr. falou em corrupção. O PSL, partido de Bolsonaro, é investigado nesse momento por mau uso de recursos durante a eleição e no pagamento a assessores.
Bannon: Também aconteceu com o presidente Trump. Isso é non-sense, tudo o que está acontecendo é tangencial às mesmas coisas que aconteceram com Trump. Lula é corrupto. É por isso que ele é tão hipócrita. ele veio da pobreza e em algum momento foi idealista. Ele é a trágica figura da modernidade, que é corrompida pelo poder, dinheiro e influencia. Lula foi corrompido e estava preso por sua corrupção e por essencialmente permitir que todos fossem corruptos no governo Dilma. Mas isso (investigações contra Bolsonaro e o PSL) vai ser rapidamente contestado.
BBC News Brasil: Mas, diferente do que acontece com o presidente Trump, Bolsonaro está tendo problemas sérios com seu próprio partido. Ele teve discussões duras e públicas com o presidente do Partido…
Bannon: Isso não é verdade, isso não é verdade.
BBC News Brasil: Mas o próprio presidente admitiu que pode deixar seu partido…
Bannon: Trump teve enormes problemas com seu próprio partido. Outro dia, (o ex-senador republicano) Jeff Flake disse que, se o voto fosse secreto, 35 senadores republicanos votariam pelo impeachment. O establishment do partido republicano tolera Trump, não apoia Trump. E lembre-se que Boris Johnson e Nigel Farage (líder do Partido Brexit) apanharam do establishment do partido Conservador, os manda-chuvas do partido não querem um partido nacionalista populista. O mesmo establishment está fazendo isso com Bolsonaro. Tudo está intrinsecamente ligado. há uma revolta populista nacionalista em escala global em nações individuais e uma ordem de demônios da ordem estabelecida vai lutar até a morte porque entende que, se nós ganharmos, vamos colocar os corruptos fora do jogo.
Jair BolsonaroDireito de imagemREUTERS
Image captionLibertação de Lula pode fortalecer Bolsonaro, diz Bannon
BBC News Brasil: Mas, o que o Sr. está propondo? Se, nas suas próprias palavras, os partidos dos políticos que o Sr. defende são ruins e corruptos, qual é a saída?
Bannon: É preciso haver reformas contínuas. Transparência contínua.
BBC News Brasil: Centralização do poder?
Bannon: Sou o primeiro a dizer que deve haver reformas enormes em Washington. Há o termo "drenar o pântano", que não uso porque acho meio etéreo demais, mas é preciso tirar da classe política os lobistas. O mesmo no Brasil e no Reino Unido. Lembre-se que a razão pela qual o Brexit não aconteceu foi porque os políticos não quiseram.
BBC News Brasil: Para muitos, a onda da direita nacionalista populista estaria se desfazendo mais rápido do que se imaginaria a partir de todos estes eventos que o Sr. cita.
Bannon: Eu digo a você que as mesmas pessoas me falaram isso quando eu comecei. Isso é ilusão. nós ainda estamos nos primeiros passos, isso é uma revolução global. Você vê isso ficando mais e mais forte.
Nem teremos todas as vitórias. Salvini vai voltar. Vamos ter obstáculos no caminho, tivemos obstáculos no caminho com o Brexit, tivemos obstáculos no caminho com o impeachment de Trump, tivemos obstáculos no caminho quando deixaram Lula sair da prisão.
BBC News Brasil: Mas e na Argentina (com a eleição de Alberto Fernández)?
Bannon: Tudo bem. Tudo bem. Aliás, as pessoas agora, e você vê isso, estão prestando atenção na diferença entre nacionalistas e globalistas a cada eleição. As mesmas pessoas que não nos deram crédito no começo estavam errados naquela época e estão errados agora. O grupo que diz que o movimento está enfraquecendo é o mesmo grupo de defensores da ordem estabelecida que estavam errados no começo. Eu sei que a BBC, a The Economist, o Financial Times, o New York Times, iriam todos amar ver o movimento acabar. Mas não vai acabar. Vai ficar mais forte todos os dias.
BBC News Brasil: O cenário que o Sr. está descrevendo, e não eu, é de desafios para os principais líderes do que o Sr. chama de movimento nacionalista populista. Se eles ficarem isolados, isso pode resultar em uma escalada em autoritarismo? O Sr. deve ter acompanhado o que aconteceu com Eduardo Bolsonaro…
Bannon: Você pode descrever assim, porque você é o partido da imprensa opositora. Entendo que vocês vejam (o líder húngaro Viktor) Orban, Trump e Bolsonaro caminhando para a repressão, mas as pessoas do nosso lado não vêm assim.
BBC News Brasil: Não, eu quero trazer um exemplo prático, me deixe completar. Eduardo Bolsonaro, o Sr. o conhece muito bem…
Bannon: Muito bem, sim.
BBC News Brasil: Eduardo Bolsonaro mencionou o AI-5, que foi um dispositivo usado usado na ditadura militar no Brasil para fechar o Parlamento, tirar mandatos de políticos, caçar ministros da Suprema Corte, usar tortura contra inimigos políticos como uma ferramenta possível no caso de a esquerda se radicalizar ou voltar ao poder.
Bannon: Mas você está usando um exemplo extremo.
BBC News Brasil: Não, o exemplo foi usado pelo filho do presidente, não eu.
Bannon: Mas você está interpretando de forma extrema. O que eu acho que ele está dizendo é eles não vão permitir que essa eleição seja derrubada por meios não democráticos e que certamente não vão deixar o Judiciário, junto a Lula, tentar por meios não democráticos reverter as eleições.
Não há nada de anormal, no que ele diz, ele está apenas afirmando um fato básico e acho que Eduardo Bolsonaro está 100% correto, como Trump está: as forças antidemocráticas, as forças fascistas são as do establishment contra o Brexit, do impeachment contra Trump e agora vejo o mesmo no Brasil: deixar alguém corrupto dos pés a cabeça sair da prisão para essencialmente ameaçar Bolsonaro. É o que vai acontecer. Isso é antidemocrático. nós tivemos eleições e a ordem estabelecida perdeu. Mas eles se recusam a deixar que a voz das pessoas seja respeitada.
BBC News Brasil: No Brasil, esta foi uma decisão da Suprema Corte. Uma decisão de 11 juízes. O Sr. está dizendo então que a Suprema Corte brasileira trabalha contra o presidente Bolsonaro?
Bannon: Acho que é bastante evidente. Que a Suprema Corte está tentando ajudar a reverter o mandato que Bolsonaro tem com uma vitória arrebatadora em 2018. Não tenho dúvidas sobre isso. não sou brasileiro, mas como um observador externo, não há dúvida de que Lula é corrupto e deveria ficar muito tempo preso.
BBC News Brasil: O Sr. foi convidado para falar no Congresso brasileiro e recuou…
Bannon: Eu estava indo, queria ir e estava honrado em ir. Tenho ideias muito fortes sobre a Amazônia e o manejo brasileiro sobre seu território, mas a razão pela qual não pude é porque eu comecei um trabalho intenso e diário contra o impeachment, então simplesmente não dá.
Eu cancelei idas a Inglaterra, Roma, Ásia, Austrália e ao Brasil. Cancelei todas as minhas viagens por causa do impeachment. Os únicos lugares a que estou indo são Hungria e Taiwan, mas tive que cancelar tudo porque estão tentando remover Trump do governo.

    Mas quero muito ir assim que a nossa crise constitucional ficar para trás.
    (Fonte: BBC News Brasil)