segunda-feira, 11 de janeiro de 2021

Como parar Bolsonaro, um presidente que insiste na fraude e segue o modelo de Trump

Os adversários do presidente brasileiro pesam em uma ampla frente política para promover um 'impeachment'


O encontro entre os presidentes Jair Bolsonaro e Donald Trump, em março de 2019. A. WONG / GETTY

A invasão do Capitólio , instigada pelo presidente derrotado nas últimas eleições americanas, enviou um sinal de alerta ao Brasil, principalmente depois que Jair Bolsonaro apontou que o movimento insurgente pró-Donald Trump poderia ter uma versão tropical em dois anos. “Se usarmos o voto eletrônico em 2022, o mesmo acontecerá”, comentou o presidente brasileiro nesta semana em uma nova tentativa de desacreditar o sistema eleitoral brasileiro sem evidências e pedir o retorno do voto em urna física. Diante de outra demonstração de apreço pelas táticas de Trump por parte da mais alta autoridade do país, não faltaram notas de repúdio e advertências da Suprema Corte sobre o estado da democracia. Mas a pergunta que analistas, partidos de oposição e outros políticos fazem é outra: o que fazer para evitar uma possível tentativa de chutar o cenário institucional ou mesmo ensaiar um golpe mais clássico nas próximas eleições?

Para o advogado Pedro Abramovay, diretor da Sociedade Aberta na América Latina, ao insistir na teoria da fraude nas urnas, Bolsonaro e seus apoiadores plantaram a semente de uma estratégia para permanecer no poder em caso de derrota nas próximas eleições, previsto para 2022. “A intenção fica evidente quando o Bolsonaro fizer esse tipo de manifestação. Estamos falando de um presidente que construiu sua vida política desacreditando a democracia ”, explica o advogado. Em resposta imediata às declarações do presidente brasileiro, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) condenou o ataque ao sistema eleitoral e sublinhou que o seu presidente, Luís Roberto Barroso, “trata de factos e provas, que devem ser apresentados através dos canais competentes. ”.

Abramovay acredita que, além do fato de que as instituições devem atuar como contrapeso às declarações antidemocráticas do Governo e do bolonarismo, é fundamental que elas tenham apoio no ecossistema político. “Se as Forças Armadas não quiserem cumpri-la, a Constituição não vale nada”, explica o advogado. "O Supremo Tribunal Federal só pode fazer cumprir a Constituição se houver forças políticas articuladas e poderosas para impedir as intenções de golpe do presidente." Lembre-se de que em países como a Hungria e a Turquia, que experimentaram recentemente a ascensão de governos autoritários , o estado democrático entrou em colapso gradualmente devido a ataques graduais às instituições.

Na mesma linha, Andrei Roman, fundador da consultoria Atlas Político, que desenvolve pesquisas de opinião sobre a popularidade de Bolsonaro e as preferências de seus eleitores, vê um fator comum entre o Brasil e regimes autoritários que pode ser decisivo para um hipotético inclinação do golpe. “No contexto atual, é cada vez mais difícil identificar o momento exato em que ocorre um golpe de estado”, afirma o cientista político. “A infiltração dos militares no Governo ocorre no Brasil da mesma forma que ocorreu com Chávez, na Venezuela , ou com Orbán, na Hungria. Ter atores que compartilham a ideia de um regime autoritário em posições estratégicas é ainda mais preocupante do que a popularidade do presidente ”, afirma.

Roman lembra que, de acordo com as últimas pesquisas do Atlas Político, entre 10% e 15% da população brasileira apóia a tomada do poder pelos militares, percentual semelhante aos que defendem a teoria da manipulação do urnas. O índice pode aumentar, dependendo do desempenho do governo e da radicalização do Bolsonaro nos próximos meses, mas não o suficiente, segundo o cientista político, para manter o apoio popular a um eventual golpe de Estado ou para estimular as reações de as alas radicalizadas de sua própria base ou da polícia, por exemplo.

Por outro lado, Pedro Abramovay considera alarmantes as manifestações de militares do Exército, como o ex-comandante Eduardo Villas Bôas, que chegou a ameaçar uma intervenção militar caso o Supremo Tribunal Federal concedesse habeas corpus ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2018, e ao ministro Augusto Heleno, general aposentado, que insinuou, em tom ameaçador, meses atrás, que a apreensão dos celulares de Bolsonaro, determinada pelo tribunal superior, poderia ter "consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional".

Nos Estados Unidos, a postura neutra dos militares foi testada pela relutância de Trump em reconhecer o resultado da eleição , que ganhou o democrata Joe Biden. Dias antes da invasão do Capitólio, os dez ex-ministros da defesa vivos dos Estados Unidos, incluindo republicanos proeminentes, divulgaram uma carta conjunta condenando as alegações de fraude de Trump e seu desejo de envolver os militares.

Um dos reflexos da invasão do Capitólio é a exigência, por parte dos adversários do Bolsonarismo, aos militares de que cumpram seu papel institucional. "E se (ou quando) ocorrer uma invasão golpista, semelhante à dos Estados Unidos, no Congresso Nacional, de que lado estariam as Forças Armadas?", Questionou o governador do Maranhão, Flavio Dino, do Partido Comunista Brasileiro. “A história do Brasil justifica a questão. Espero que defendam a Constituição e não estejam do lado dos desordeiros e dos milicianos ”.

A oposição ao Bolsonaro está organizada em duas frentes com vista às eleições de 2022. Uma delas defende a destituição imediata do presidente devido à gestão desastrosa da crise sanitária provocada pela pandemia covid-19. O outro, cujos entusiastas também apóiam amplamente o impeachment , está tentando abrir caminho para uma frente ampla a fim de reduzir suas chances de reeleição.

Na última quinta-feira, o Partido dos Trabalhadores (PT) apresentou o 60º pedido de impeachment contra a presidente, desta vez para um pedido de desculpas por tortura pela provocação dirigida à ex-presidente Dilma Rousseff. De acordo com os números do Atlas Político, a popularidade do Bolsonaro, que caiu quase 10 pontos percentuais no início da pandemia, caiu ligeiramente novamente em dezembro. A maioria dos entrevistados pela consultoria (55%) disse apoiar o impeachment do presidente até julho do ano passado. Em abril, no auge das tensões em torno da queda do ex-ministro da Justiça Sergio Moro, o Datafolha havia mostrado que o percentual de partidários da declaração era de 45%.

Na linha de fundo da invasão do Capitólio, Trump acabou sendo punido nas redes sociais por incitar apoiantes com o discurso de fraude eleitoral. Agora espera-se que as redes, principalmente o Facebook, onde o Bolsonaro já publicou informações falsas em sua tradicional vidasemanalmente, assumir postura semelhante no Brasil. Isabela Kalil, antropóloga e cientista política que estuda os movimentos de extrema direita no Brasil desde 2016, destaca que o bolonarismo já usou técnicas semelhantes às dos radicais americanos para instigar uma insurreição contra o judiciário e o legislativo. Em março, depois que o presidente divulgou um vídeo no qual encorajava seus apoiadores a se manifestarem contra o Congresso, uma sequência coordenada por Kalil identificou a ação de perfis que pediam atos antidemocráticos em frente ao quartel militar. “Do ponto de vista da base bolsonarista, tivemos um julgamento do que poderia acontecer em 2022”, diz o pesquisador.

Enquanto a invasão do Capitólio reunia grupos neonazistas, antivacinas e da supremacia branca , simbolizados por QAnon, movimento que adere a várias teorias da conspiração, a radicalização pró-Bolsonaro vem de seitas como os "300 pelo Brasil", liderados pelos a extremista Sara Winter, que até foi presa e acusada de ameaçar juízes do Supremo Tribunal.

Além da investigação da Suprema Corte sobre notícias falsas sobre a suposta existência de uma máquina de ódio e desinformação promovida pelos Bolsonaristas, o Facebook eliminou dezenas de contas vinculadas ao clã Bolsonaro em julho por uso de robôs e perfis falsos. A reação nas redes é vista como uma medida chave pelo cientista político Kalil. “ Grupos de extrema direita já estão migrando para outras redes, como Parler . A contenção dessa onda exige uma resposta firme das instituições democráticas ”. Bolsonaro convidou neste sábado seus seguidores, em um post no Instagram, a segui-lo no Parler, um dia depois de Google, Amazon e Apple suspenderem o aplicativo até que a rede social esclareça sua tendência autoritária.

BREILLER PIRES, do EL PAÍS, em São Paulo - 10 DE JANEIRO DE 2021

Mike Pence quer ir à posse de Biden, diz mídia

Fonte governamental teria dito que vice-presidente dos EUA comparecerá à cerimônia. Emissora noticia que Pence ainda não descartou afastamento do presidente pela 25ª Emenda da Constituição.

    

Vice-presidente dos EUA, Mike Pence, em cerimônia de certificação da vitória de Biden 

O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, comparecerá à posse do presidente eleito Joe Biden, mesmo após o presidente americano, Donald Trump, dizer que não irá à cerimônia, noticiaram diversos veículos de imprensa, citando fontes governamentais.

A emissora CNN também noticiou neste domingo (10/01) que Pence não descartou invocar a 25ª Emenda da Constituição dos EUA para afastar Trump do cargo.

As relações entre Trump e Pence -- anteriormente um dos defensores mais ferrenhos do presidente -- esfriaram desde quarta-feira, quando o vice-presidente anunciou formalmente a vitória de Biden na eleição de novembro.

Uma multidão de apoiadores de Trump invadiu o Capitólio dos EUA no mesmo dia, em tentativa fracassada de impedir o Congresso de certificar a vitória de Biden, em um motim que deixou cinco mortos e dezenas de presos.

Diversos relatos da mídia neste sábado citaram altos funcionários do governo, dizendo que Pence decidiu comparecer à posse de Biden em 20 de janeiro.

No início da semana, o presidente eleito disse que Pence seria bem-vindo em sua cerimônia de posse, que acontecerá em um formato reduzido devido ao coronavírus. "Ficaríamos honrados em tê-lo aqui e em avançar na transição", afirmou.

Em seu último tuíte antes de ser removido do Twitter na sexta-feira, Trump disse que não compareceria ao evento.

Impeachment

O presidente foi acusado de provocar a violência de quarta-feira e agora enfrenta um inédito segundo impeachment, previsto para começar nesta segunda-feira.

A presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, advertiu que os democratas lançariam o processo a menos que Trump renunciasse ou Pence invocasse a 25ª Emenda da Constituição, na qual o gabinete destitui o presidente do cargo.

Embora Pence não tenha falado publicamente sobre o assunto, o jornal The New York Times informou na quinta-feira que ele não estaria propenso a invocar o mecanismo, nunca usado antes na história dos Estados Unidos. 

25ª Emenda

A emissora CNN noticiou neste domingo que, segundo fonte próxima ao vice-presidente, Mike Pence ainda não descartou a opção de afastamento de Trump através da evocação da 25ª Emenda da Constituição e que deseja guardar essa opção "caso o presidente Donald Trump se torne mais instável".

A mesma fonte disse haver certa preocupação dentro da equipe de Pence de que haja riscos de invocar a 25ª Emenda ou mesmo de um processo de impeachment, já que Trump “poderia tomar algum tipo de ação precipitada, colocando a nação em risco”.

Deutsche Wellw, em 10.01.2021

Opinião: Trump deve ser afastado para sempre da política

Durante quatro anos Trump preparou a invasão do Capitólio em Washington com mentiras e agitação. Ele deve ser impedido de todas as maneiras de se candidatar novamente, opina Ines Pohl.

"Não há dúvida alguma de que Trump pediu que apoiadores invadissem o Capitólio"

Não, os acontecimentos de 6 de janeiro não foram um deslize. Tampouco foram um acaso. Eles foram a consequência inevitável de quatro anos de uma presidência que se baseou na raiva em vez da verdade e conseguiu transformar o posicionamento político de seus apoiadores em ódio ao "outro".

Eu estava lá e testemunhei com meus próprios olhos e ouvidos como o discurso de Donald Trump naquele dia frio de janeiro transformou os manifestantes, em sua maioria pacíficos, em uma multidão em fúria.

Não há dúvida alguma de que o presidente pediu às pessoas para invadir o Capitólio. De que outra forma frases como esta poderiam ser entendidas: "Vocês nunca retomarão nosso país com fraqueza. Vocês têm que mostrar força. Vocês têm que ser fortes"? Ele as gritou à multidão – junto com o chamado para marchar em direção ao Capitólio.

Falei com as pessoas que tinham vindo de todo o país à capital para protestar contra o resultado eleitoral alegadamente "roubado". A maioria eram americanos médios que estão realmente convencidos de que o verdadeiro vencedor das eleições presidenciais é Trump. Infiltrados pelas mentiras dele. Presos em suas bolhas das redes sociais. Alimentados também pelos políticos republicanos que, de forma totalmente irresponsável, ajudaram a construir essa perigosa teia de mentiras. E que sacrificaram seu juramento de respeitar a Constituição em nome da ganância pessoal pelo poder.

Trump tem sangue nas mãos

E é precisamente porque não se trata de apenas um punhado de malucos que os democratas precisam fazer tudo o que podem para impedir que o presidente ainda no cargo concorra em outra eleição. Trump tem sangue nas mãos. Pessoas morreram na invasão do Capitólio. Só isso já é razão suficiente para buscar um segundo impeachment.

Mas ainda mais importante é organizar as maiorias necessárias no Congresso para aprovar uma ordem executiva garantindo que Trump nunca mais seja permitido de concorrer a um cargo público. Isto requer uma maioria de dois terços no Senado, o que só acontecerá se o bom senso finalmente prevalecer entre quase 20 republicanos.

Os democratas têm que tomar decisões difíceis nos próximos dias. Se buscarem o processo imediatamente, correm o risco de ter as primeiras semanas da presidência de Joe Biden ofuscadas pelo debate sobre o futuro de Trump. Alguns estão, portanto, argumentando a favor de esperar até que o novo governo tenha se estabelecido e passos vitais possam ser dados na luta contra a catástrofe da covid-19. Entre 3 mil e 4 mil pessoas morrem diariamente devido ao coronavírus nos Estados Unidos.

O processo contra Trump ainda poderia ser lançado semanas após a transferência de poder, apesar de isso nunca ter ocorrido. Pode ser que muitos apoiadores de Trump enxerguem nisso uma confirmação para o argumento de que o sistema político nos Estados Unidos está "corrompido". Mas é preciso viver com isso.

Apenas uma amostra

O Partido Republicano tem provado repetidamente que não sabe lidar com o jogo de poder de Donald Trump. Se ele tiver a oportunidade de se candidatar novamente daqui a quatro anos, ele continuará a manter os republicanos reféns. E não é só isso: 73 milhões de pessoas votaram a favor de Trump em 2020. É inteiramente possível que haja mais alguns milhões em 2024 se ele puder continuar trabalhando para reinterpretar a realidade em um Trump show - com a intenção de retornar à Casa Branca.

É preciso deixar claro para todos os líderes políticos que espalhar mentiras e fomentar o ódio tem consequências - e acaba imediatamente com carreiras políticas. A invasão do Capitólio foi apenas uma amostra do que pode vir.

--

Ines Pohl, a autora deste artigo, foi editora-chefe da DW e atualmente é correspondente em Washington. O texto reflete a opinião pessoal da autora, e não necessariamente da DW. 

Arnold Schwarzenegger compara invasão ao Capitólio com episódio nazista

O ex-governador do estado da Califórnia e ator, Arnold Schwarzenegger comparou os ataques ao Congresso americano ocorridos na última quarta-feira(6) a "Noite dos Cristais Quebrados" na Alemanha nazista. O episódio ficou marcado na história como o dia que alemães nazistas invadiram e vandalizaram diversos templos, escolas e lojas judaicas. Estima que mais de 90 judeus tenham morrido neste dia.

"Quarta-feira foi o 'Dia dos Cristais' aqui nos Estados Unidos. O vidro quebrado estava nas janelas do Capitólio. Mas a multidão não destruiu apenas as janelas. Eles quebraram as ideias que considerávamos certas. Eles não apenas derrubaram as portas do prédio que abrigava a democracia americana, também pisotearam os próprios princípios sobre os quais nosso país foi fundado", disse o ator em um vídeo postado na sua conta do Twitter.

O ator ainda ressaltou que Trump será conhecido como "um líder falho e o pior presidente da história". Schwarzenegger que é austríaco, apontou também que como imigrante viu na Europa mesmo o que ocorreu nos Estados Unidos. "Tudo começou com mentiras e intolerância. Sendo da Europa, eu vi em primeira mão como as coisas podem sair do controle", pontuou.

Sobre a invasão

O Capitólio dos Estados Unidos foi invadido na quarta-feira (6) por manifestantes que apoiam o presidente Donald Trump e rejeitam a vitória de Joe Biden na eleição presidencial.O Congresso americano,precisou entrar em recesso imediatamente em decorrência dos protestos. A sessão foi retomado horas depois garantindo a vitória de Biden

Durante a invasão uma mulher identificada como apoiadora de Trump e um policial morreram. Segundo balanço divulgado pelo chefe do Departamento de Polícia Metropolitana de Washington outras 52 pessoas foram presas por incidentes violentos.

Schwarzenegger disse que o "Trump falhou como lider".

Will Marinho, da CNN, em São Paulo, em 10 de janeiro de 2021 

Democratas planejam ação rápida por impeachment de Trump se 25ª Emenda falhar

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, disse pela primeira vez, neste domingo (10), que a Casa vai propor o impeachment do presidente Donald Trump se o vice-presidente Mike Pence não o destituir.

Pelosi disse que a Câmara tentará aprovar uma resolução por consentimento unânime na segunda-feira de manhã, pedindo que o Gabinete de Pence e Trump invoque a 25ª Emenda e remova Trump do cargo.

Se a resolução não for aprovada por consentimento unânime, então a medida será levada ao plenário para votação plena na terça-feira. A resolução pedirá que Pence responda dentro de 24 horas e, se não, a Câmara moverá o impeachment do presidente.


Donald Trump, presidente dos Estados Unidos / Foto: REUTERS

"Em seguida", disse Pelosi em uma carta aos colegas democratas, "prosseguiremos com a apresentação da legislação de impeachment."

“Ao proteger a nossa Constituição e a nossa democracia, vamos agir com urgência, porque este presidente representa uma ameaça iminente para ambos. Com o passar dos dias, intensifica-se o horror do contínuo assalto à nossa democracia perpetrado por este presidente e também o necessidade imediata de ação", disse Pelosi.

Os democratas da Câmara ainda estão discutindo se a votação para impeachment de Trump poderia ser terça ou quarta-feira, por assessores.

Os democratas ainda planejam ir primeiro ao Comitê de Regras da Câmara, que adotaria uma regra definindo o prazo e os parâmetros do debate no plenário. Não está claro quando o Comitê de Regras pode se reunir. Os assessores esperam que o Comitê de Regras se reúna na terça-feira, mas isso ainda não foi definido.

O líder da maioria na Câmara, James Clyburn, disse no domingo que os democratas da Câmara poderiam esperar até depois dos primeiros 100 dias de mandato do presidente eleito Joe Biden para enviar quaisquer artigos de impeachment contra o presidente Donald Trump ao Senado, uma medida que daria ao novo presidente tempo para resolver seu agenda no Congresso antes do início de um julgamento demorado.

"Faremos a votação que deveríamos realizar na Câmara e (a Presidente da Câmara, Nancy Pelosi) determinará quando é o melhor momento para obter essa votação e nomear os administradores e encaminhar a legislação ao Senado , "Clyburn disse a Jake Tapper da CNN no" Estado da União ".

"Acontece que, se não fosse lá por 100 dias, poderia - vamos dar ao presidente eleito Biden os 100 dias de que ele precisa para colocar sua agenda em funcionamento, e talvez enviaremos os artigos algum dia depois disso ", acrescentou o democrata da Carolina do Sul.

Pelosi disse na sexta-feira que os democratas estão preparados para avançar esta semana com o impeachment de Trump por seu papel no ataque mortal da semana passada ao Capitólio dos EUA, caso ele não renuncie. Os democratas planejam apresentar sua resolução de impeachment, que já tem mais de 190 co-patrocinadores, na segunda-feira, e fontes disseram à CNN que o partido espera ter votos já na quarta-feira, mas ainda está resolvendo seus planos.

Os comentários de Clyburn vêm enquanto os democratas lutam para saber como o impeachment de Trump pela segunda vez poderia impactar os primeiros dias de Biden no cargo, quando ele está trabalhando para aprovar as nomeações do governo no Senado e lidar com as prioridades legislativas, como outro pacote de ajuda ao coronavírus.

Os assessores do novo presidente, enquanto isso, estão trabalhando nos bastidores com Pelosi e outros para evitar que o Congresso fique atolado com o impeachment durante seus primeiros dias no cargo.

Os democratas da Câmara, em uma ligação que Pelosi realizou no sábado à noite com sua equipe de liderança, discutiram a opção de impeachment Trump esta semana e esperar até mais tarde para enviar o artigo de impeachment ao Senado para adiar o julgamento até depois dos primeiros dias da presidência de Biden, de acordo com aos democratas na liderança do partido.

Pelosi disse em uma entrevista ao programa "60 Minutes" da CBS, programado para ir ao ar no domingo à noite, que gostou da ideia de invocar a 25ª Emenda "porque isso o livra", mas explicou, "uma das motivações que as pessoas têm para defender o impeachment é para evitar que Trump volte a ocupar cargos públicos".

"Há um forte apoio no Congresso para o impeachment do presidente uma segunda vez", disse ela.

O líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, deixou claro em um memorando que mesmo que a Câmara se movesse nos próximos dias para impugnar Trump, o Senado não voltaria à sessão antes de 19 de janeiro. Isso colocaria o início do julgamento em 20 de janeiro - o data da posse de Biden.

A partir daí, o Senado fica praticamente incapaz de qualquer ação que não seja o julgamento até a sua conclusão, como ficou claro durante o primeiro julgamento de impeachment de Trump.

Com o impeachment e a destituição de Trump, mesmo neste estágio final de seu mandato, o Senado poderia posteriormente votar para desqualificá-lo de ocupar um cargo federal novamente, tomando uma ação extraordinária contra um ex-presidente.

Biden quer garantir que o impeachment não se torne uma distração

Embora Biden tenha dito repetidamente que cabe ao Congresso decidir como sancionar Trump por seu papel em instigar o violento ataque ao Capitólio, a CNN apurou que seus conselheiros estão trabalhando intensamente nos bastidores com a liderança democrata na esperança de encontrar um meio-termo que não vai atrapalhar sua nova administração. 

Esperar para enviar qualquer artigo ao Senado é uma das ideias que estão sendo discutidas pelos assessores do presidente eleito, embora assessores digam que outras ideias estão em discussão neste fim de semana, incluindo censurar Trump em uma medida que pode atrair mais apoio bipartidário do que o impeachment poderia.

Não está sendo discutido fazer nada e permitir que os dias finais da presidência de Trump expirem sem punição do Congresso.

"O trem deixou a estação sob impeachment", disse um funcionário próximo a Biden à CNN. "Tentar pará-lo não apenas fracassaria, mas colocaria Biden no pé errado com os progressistas e a maioria dos democratas do partido."

As conversas entre Biden e Pelosi e muitos de seus respectivos conselheiros ocorreram ao longo do fim de semana.

Biden está prestes a lançar mais detalhes de seu pacote de ajuda econômica esta semana em Wilmington, Delaware, onde assessores dizem que ele implorará ao Congresso que aja rapidamente para aprovar o projeto como um dos primeiros atos de sua presidência.

"Esse projeto não pode e não deve ser adiado por causa de um julgamento de impeachment no Senado", disse uma autoridade próxima a Biden.

Grupo de republicanos apoia a remoção de Trump

Vários republicanos no Congresso já se juntaram aos democratas para deixar claro que querem que Trump deixe o cargo, embora nem todos concordem que o impeachment seja a opção certa.

O senador Pat Toomey disse a Tapper no domingo que acha que Trump deveria renunciar. O republicano da Pensilvânia - agora o segundo senador republicano dos EUA a pedir a renúncia de Trump - havia dito anteriormente que acha que Trump "cometeu crimes impeacháveis", mas que não tinha certeza de removê-lo tão perto do final de seu mandato era o certo curso de ação.

A senadora do Partido Republicano do Alasca, Lisa Murkowski, disse na sexta-feira que o presidente deveria renunciar ao cargo, dizendo ao Anchorage Daily News of Trump: "Quero que ele saia. Ele já causou danos suficientes".

O deputado Adam Kinzinger, de Illinois, entretanto, endossou a invocação da 25ª Emenda, que forçaria a remoção de Trump.

Esta história foi atualizada com detalhes adicionais no domingo.

Por Devan Cole, Jeff Zeleny, Daniella Diaz e Manu Raju, da CNN, em 11 de janeiro de 2021. Publicado hoje pela CNN Brasil. / Phil Mattingly, Manu Raju, Kate Sullivan e Nicky Robertson da CNN contribuíram para este relatório.

Hiroshima e o Capitólio

Trump passou a ser o Bin Laden do American Dream: um destruiu as Torres Gêmeas; o outro, o Capitólio, Catedral da Democracia. Analisa José Sarney neste artigo publicado originariamente pelo O Estado do Maranhão, edição de 10.01.2021.

Hiroshima é uma mancha indelével na História americana. Agora surgiu outra: Trump comandando uma horda de apátridas, acabando com o que os Estados Unidos tinham como sua mais sagrada instituição, o American Dream, o sonho que fascinou a humanidade e os fez conquistar o mundo. 

O sonho de construir um mundo de liberdade, cujos fundamentos constam da Declaração de Independência, quando os pais fundadores fizeram a sua Tábua da Lei, como a maneira de construir a Democracia: “Consideramos estas verdades como evidentes, que todos os homens são criados iguais, que são dotados pelo Criador de certos Direitos inalienáveis, que entre estes são Vida, Liberdade e busca da Felicidade.”

Louvamos que tenha saído da América o país que encontrou a fórmula das ideias e não da força para constituir governos baseados na liberdade e hoje é o maior país do mundo, político, militar, cultural, econômico, científico e tecnológico. Sou daqueles que acreditam que não foi o poder econômico que o fez líder, mas as ideias de liberdade, dignidade e direitos humanos.

Todos estes direitos criaram o sonho americano, que se expandiu pelo mundo inteiro e, com outras nações, ficou responsável pela paz mundial.

Agora, que vergonha, é seu próprio Presidente quem comanda a destruição da grande bandeira dos Estados Unidos perante o mundo.

A partir de agora que autoridade têm os EUA para pedir respeito aos direitos e à igualdade dos homens? Para ser o guardião da Declaração dos Diretos Humanos, cujas ideias fundamentais foram construídas por eles mesmos, desde o rascunho de Jefferson da Declaração de Independência, passando pelo Bill of Rights e pregando a liberdade, a Democracia, como a grande revolução salvadora mundial?

Que diferença podem invocar de Maduro fazer a representação parlamentar com a violência de leis fruto da chicana e unicamente destinadas à manutenção do poder? Que argumentos têm perante Erdogan e todos os líderes de extrema e radical direita, agora em ascensão, buscando ocupar a liderança de diversas nações? Que autoridade os Estados Unidos podem usar para defesa da democracia contra a força e o anarcopopulismo, diante do exemplo do Trump — pois, se a democracia é o maior e melhor regime, os Estados Unidos o maior exemplo disso, o Capitólio o coração da democracia, constituído pelas leis e pelo povo, como o Trump comanda sua invasão e sua destruição?

As consequências desse fato não se sabe como vão repercutir e influenciar o futuro da humanidade.

Como apagar essa mancha da História americana? Só com a punição do Presidente, pois mostrará que a democracia é tão forte que até o sumo-sacerdote do seu templo, quando viola seus dogmas, é banido da política, como indigno dela.

Trump passou a ser o Bin Laden do American Dream: um destruiu as Torres Gêmeas; o outro, o Capitólio, Catedral da Democracia.

José Sarney, o autor deste artigo, foi Presidente da República Federativa do Brasil. Publicado originariamente por O Estado do Maranhão, edição de 10.01.2021.

domingo, 10 de janeiro de 2021

Brasil volta a registrar média acima de 1 mil mortes por covid pela primeira vez desde agosto

Segundo o consórcio de veículos de imprensa, foram notificados 483 novos óbitos nas últimas 24 horas e 29.153 casos

O Brasil registrou neste domingo, 10, a média móvel de 1.016 mortes por covid-19, a maior desde o dia 10 de agosto de 2020. O cálculo registra as oscilações dos últimos sete dias e elimina distorções entre um número alto de meio de semana e baixo de fim de semana. Segundo o consórcio de veículos de imprensa, foram notificados 483 novos óbitos nas últimas 24 horas e 29.153 casos.

No total são 203.140 mortes registradas e 8.104.823 pessoas contaminadas no Brasil, segundo o balanço mais recente do consórcio formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL em parceria com 27 secretarias estaduais de Saúde. Os dados foram divulgados às 20h. 

O Estado de São Paulo, que apresenta os maiores números absolutos do País, chegou a 48.351 mortes e 1.546.132 casos confirmados. Entre o total de casos diagnosticados, 1.360.789 pessoas estão recuperadas, sendo que 162.204 foram internadas e tiveram alta hospitalar.

As taxas de ocupação dos leitos de UTI são de 66,4% na Grande São Paulo e 646% no Estado. O número de pacientes internados é de 12.860, sendo 7.333 em enfermaria e 5.527 em unidades de terapia intensiva, conforme dados deste domingo.

Consórcio dos veículos de imprensa

O balanço de óbitos e casos é resultado da parceria entre os seis meios de comunicação que passaram a trabalhar, desde o dia 8 de junho, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 Estados e no Distrito Federal. A iniciativa inédita é uma resposta à decisão do governo Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia, mas foi mantida após os registros governamentais continuarem a ser divulgados.

Neste domingo, o Ministério da Saúde informou que foram registrados 29.792 novos casos e mais 469 mortes pela covid-19 nas últimas 24 horas. No total, segundo a pasta, são 8.105.790 pessoas infectadas e 203.100 óbitos. Os números são diferentes do compilado pelo consórcio de veículos de imprensa principalmente por causa do horário de coleta dos dados.

Andreza Galdeano, O Estado de São Paulo, em 10 de janeiro de 2021 

Câmara dos EUA pode votar impeachment de Trump nesta semana; Republicanos pedem renúncia

Invasão do Capitólio motivou nova mobilização da base democrata para retirar Trump do cargo; ao contrário de pedidos de impeachment anteriores, base republicana está dividida
 
 A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos planeja votar nesta semana um novo pedido de impeachment contra o presidente Donald Trump por causa da invasão do Capitólio, afirmou um dos principais líderes democratas neste domingo, 10. Legisladores democratas e republicanos têm condenado a retórica do presidente e pedido sua saída do cargo.

O líder da maioria democrata na Câmara, James Clyburn, afirmou que um ou mais processos de impeachment chegarão ao plenário da Casa nesta semana, provavelmente na terça ou na quarta-feira. A programas de televisão neste domingo, o deputado disse que as denúncias podem incluir alegações relacionadas à conduta de Trump sobre os protestos da última semana, além das alegadas tentativas de mudar os resultados da eleição presidencial na Geórgia.


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump Foto: Reuters

Caso se confirme o novo processo de impeachment, Trump será mais uma vez submetido ao julgamento dos parlamentares. O presidente foi alvo de um pedido de impedimento antes das eleições, motivado pela suspeita de relações escusas com o governo da Ucrânia. Na época, Trump se livrou por ter maioria no Senado. Desta vez, porém, a base republicana está rachada, com parlamentares do partido pedindo a renúncia do presidente. 

Neste domingo, o senador republicano Pat Toomey defendeu a renúncia de Trump em entrevista à rede americana CNN. "Acho que neste momento, restando poucos dias (para o fim do mandato), este é o melhor caminho", opinou Toomey.

O senador pela Pensilvânia se une, assim, à senadora Lisa Murkowski, do Alasca, na defesa pela saída antecipada de Trump. Contudo, Toomey também questionou se um impeachment seria viável a poucos dias do fim do governo, já que o processo levaria mais tempo do que o prazo restante de mandato, acrescentando que não está claro se a constituição permite o impeachment de um presidente após o término de seu governo.


Extremistas pró-Trump na invasão ao Parlamento americano Foto: Evelyn Hockstein/WP

Ainda de acordo com o senador, Trump deve enfrentar as consequências por incitar a mobilização na quarta-feira, incluindo a possibilidade de processos na esfera criminal. "O comportamento foi ultrajante, e deveria haver uma prestação de contas", afirmou o senador. "O que testemunhamos foi mais marcante do que tudo o que já tínhamos visto de Trump antes."

Estratégia para o processo

Clyburn reconheceu que um processo de impeachment contra Trump poderia interferir na agenda do presidente eleito, Joe Biden, que toma posse no próximo dia 20. Ele sugeriu que a Casa poderia adiar o envio das denúncias ao Senado até que o mandato de Biden acumule algum tempo transcorrido.

"Vamos dar ao presidente Biden os 100 dias de que ele necessita para mostrar sua agenda e colocá-la em funcionamento, e talvez enviemos os processos em algum momento depois disso", afirmou Clyburn em entrevista à CNN.

De acordo com outro democrata, David Cicilline, um dos autores do pedido de impeachment de Trump que toma por base a suposta incitação do presidente à invasão do Capitólio na última semana, a denúncia tem o apoio de 185 democratas da Câmara.

Neste domingo, o deputado democrata Hakeem Jeffries afirmou que o presidente deve ser imediatamente removido do cargo por ser "um claro perigo para a saúde e segurança do povo americano". Segundo o parlamentar, o Congresso tem a "responsabilidade constitucional" de resolver a questão, seja através do impeachment ou pressionando para que o gabinete do presidente invoque a 25ª Emenda, declarando que Trump é inapto para o governo.

Jeffries, representante do Estado de Nova York, declarou ainda que apesar de a conta de Trump no Twitter ter sido suspensa, o atual presidente ainda possui acesso aos códigos nucleares americanos e a outros instrumentos de poder. "Donald Trump está completamente fora de controle e até mesmo seus apoiadores de longa data chegaram a essa conclusão", afirmou o parlamentar em entrevista ao programa "Meet the Press", da rede de televisão americana NBC./ 

Redação, O Estado de São Paulo e Dow Jones Newswire, em 10 de janeiro de 2021

Polarização e populistas ameaçam até democracias tidas como consolidadas

Falta de credibilidade nas instituições políticas tradicionais é fator que leva à eleição de ‘outsiders’ e mostra como a crise democrática em diversos países independe do antigo embate esquerda versus direita; mobilização popular é peça-chave para mudar cenário

A falta de credibilidade das instituições políticas tradicionais e o aumento da polarização que levam ao surgimento de ‘outsiders’ nas estruturas de poder político ameaçam a democracia em todos os continentes e parecem ter cada vez mais apelo em sociedades que buscam soluções fáceis para resolver seus conflitos complexos.

Analistas afirmam que as crises democráticas têm impacto sobre a presença de empresas nos países e a mobilização popular consciente é um elemento-chave para mudar o cenário.

Invasão ao Congresso americano no dia em que o Senado ratificava Joe Biden como o novo presidente americano mostra como até o país considerado “a maior democracia do mundo” está em crise e tem seus sistemas políticos tradicionais questionados Foto: Katherine Frey/WP

“Há muitas pessoas dispostas a tolerar a erosão das instituições democráticas se gostam das políticas, ideologias ou identidade do líder. Mas quando um número razoável de pessoas decide dizer ‘ele pode dizer o que eu quero, fazer o que concordo, mas está minando nossa capacidade futura de mudar governos, então vou me virar contra eles, porque são antidemocráticos’, essa é a única esperança”, afirma Adam Przeworski, autor do livro Crises da Democracia.

A invasão ao Congresso americano no dia em que o Senado ratificava Joe Biden como o novo presidente americano mostra como até o país considerado “a maior democracia do mundo” está em crise e tem seus sistemas políticos tradicionais questionados.

Ascensão de grupos extremistas, tentativas de golpes, eleições questionadas: como está o sistema democrático em diferentes países

O ressurgimento de partidos extremistas na Europa, com o aumento do número de seguidores, desafia a unidade da União Europeia e ganha força em países como Polônia e Hungria. “Se você perguntar sobre a democracia na Polônia, ela está nas ruas agora. Não está no governo, nas instituições oficiais, mas na auto-organização da sociedade”, sustenta Malgorzata Fidelis, professora polonesa de estudos do Leste Europeu na Universidade de Illinois.

“Jaroslaw Kaczynski (presidente do partido Lei e Justiça, majoritário no governo polonês) disse acreditar que a política polonesa, após a queda do comunismo em 1989, foi tomada pelo o que ele chama de uklad (establishment)”, explica Adam Traczyk, pesquisador especializado em Europa Central e Leste Europeu no Conselho Alemão de Relações Exteriores. “Esse uklad teria sido criado por elites liberais e ex-comunistas que negociaram uma transição pacífica e agora controlam os negócios, a mídia e o Judiciário. Basicamente, todo mundo que não apoia ele e seu partido é membro da uklad.”

A tradicional divisão entre esquerda e direita não é mais o centro das disputas políticas. É preciso levar em conta o novo embate político tradicionais versus outsiders e políticos democráticos versus políticos autoritários.

“Estamos tendo uma transição no processo democrático que ainda não sabemos se para melhor ou pior, mas percebemos uma certa fadiga do modelo tradicional atual. A busca por resultados rápidos tira da cena políticos tradicionais e traz outsiders, principalmente da ala empresarial”, explica o coordenador de relações internacionais da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESP-SP), Moisés Marques.  Segundo o analista de risco político Thomaz Favaro, diretor da Control Risks, a erosão da democracia tem impacto na vida empresarial nos países. 

“Houve um aumento na demanda por análises de risco para os EUA nos últimos anos, desde empresas operando no país, até empresas estrangeiras, que usam matéria-prima por exemplo da China, e poderiam ser afetadas por alguma decisão política. Os EUA eram um bastião de estabilidade e de repente não são mais”, conta Favaro. No Brasil, diz ele, não ocorreu o mesmo por causa da eleição de Jair Bolsonaro, pois o país nunca foi considerado um “bastião de estabilidade”.

Até mesmo uma democracia consolidada como a de Israel, em uma região que abriga governos autoritários e fechados, a crise é explícita. O primeiro-ministro Binyamin Netanyahu enfrenta acusações de corrupção e, sem conseguir manter sua coalizão política, viu o Parlamento ser dissolvido de novo. Como resultado, Israel terá a quarta eleição em menos de dois anos. 

“Aqui você tem a direita moderada e a direita mais radical. Netanyahu ainda não tem certeza a qual ele pertence. A direita moderada está disposta a se comprometer se sentir que há uma chance real de paz (com os palestinos). A direita radical, que representa cerca de 25% do eleitorado, enxerga esse conflito como sendo um jogo em que ‘é tudo nosso e nada deles’. Mas 75% do eleitorado não é assim. E a questão é como se quebra a aliança entre a direita moderada e a radical”, explica Yossi Klein Halevi, analista israelense autor do livro Cartas Para Meu Vizinho Palestino.

Américas

Democracias tidas como consolidadas nas Américas enfrentaram desafios inéditos. Nos EUA, o país considerado a maior democracia do mundo, as instituições políticas que garantiam os freios e contrapesos ao Poder Executivo foram colocadas em xeque por Donald Trump, e Joe Biden tem o desafio de reunificar o país.

No México, após duas décadas de construção de uma democracia com falhas, mas com pluralismo partidário, o líder de esquerda Andrés Manuel López Obrador tem abusado do populismo e, segundo analistas, usado sua popularidade para fazer referendos e atacar o Judiciário. Na Bolívia, onde a esquerda aliada a Evo Morales voltou ao poder com Luis Arce, e no Peru, onde o sistema político levou a renúncias e impeachments em sequência, a volatilidade política deve continuar. 

Europa

Governos autoritários de Polônia e Hungria desafiam a unidade da União Europeia. Sob o comando de Viktor Orbán e do partido Fidesz, a Hungria deu uma guinada autoritária. Reduziu a independência do Judiciário, perseguiu a oposição política, a imprensa livre e minou os direitos civis, dificultando a atuação de ONGs e o combate à corrupção nos altos escalões.

A Polônia segue o mesmo roteiro desde que Jaroslaw Kazcynski, líder do partido de extrema direita polonês Lei e Justiça (PiS), chegou ao poder, em 2015. Um relatório da Comissão Europeia publicado em setembro de 2020 afirma que “as reformas do judiciário polonês desde 2015 são fonte de controvérsia, tanto domesticamente e em nível da UE, e levanta vários problemas, vários desses ainda persistem”. 

Ásia

A pandemia de covid-19 acelerou tendências populistas e nacionalistas no mundo, mas a Ásia foi uma exceção. A China e a Coreia do Norte, é claro, continuam sendo Estados de um só partido, com pouco espaço para a liberdade de expressão, muito menos escolha política.

Mas as democracias da região resistiram ao lidar com a covid-19 com competência e manter suas economias à tona – e, no processo, reforçando a fé do público nos sistemas democráticos, casos de Japão, Coreia do Sul e Taiwan. No sul da Ásia, países como Índia e Paquistão, sofreram com o renascimento do discurso nacionalista. Na Ásia Central, a democracia nunca foi o forte, e países como Turcomenistão, Casaquistão e Usbequistão viram mais do mesmo: eleições fraudulentas ou dominadas por um autocrata.

África

O ano de 2020 foi marcado por eleições importantes em todo o continente africano. No total, 13 países foram às urnas. A complexidade do cenário é prova de que não há um padrão de democracia no continente, o maior em número de países – 54 – que abriga 1,3 bilhão de habitantes. Desses, 10 são democracias com algum grau de liberdade.

Outros 28 são regimes híbridos: onde as instituições democráticas tem pouca capacidade de atuar, mas não são uma ditadura. E 16 são regimes autoritários – mas só quatro nações não realizam nenhuma forma de eleição. Por outro lado, muitas dessas democracias passam por estados de fragilidade, e o continente. Muitos países sofreram com governantes que usaram a pandemia de covid-19 para reprimir a oposição ou impor mais controle sobre as instituições.

Oriente Médio

Há dez anos, o mundo assistia a um levante popular que provocou um terremoto no Oriente Médio, com jovens indo às ruas para protestar contra regimes repressores, pedindo liberdade e democracia. Depois da Tunísia, Egito, Líbia, Bahrein, Síria e Iêmen se viram presos em um redemoinho que mudou a face do Oriente Médio e Norte da África.

Já a Turquia, que no fim do século 20 era considerada um exemplo regional, aos poucos teve suas instituições democráticas minadas pelo poder de Recep Tayyip Erdogan. Em Israel, o baluarte da democracia no Oriente Médio, os quase 12 anos de Binyamin Netanyahu no poder levaram ao aumento da polarização no país. No Irã, onde lampejos de movimentos sociais são sufocados pelo regime teocrático, a consolidação da democracia permanece distante. 

Oceania

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, o número de mortes e casos da Oceania tem sido relativamente baixo: 943 mortes e 30.657 casos (até dezembro). A condução dada à crise pelo governo da Nova Zelândia chamou atenção e levou à reeleição da primeira-ministra Jacinda Ardern. O Partido Trabalhista, da primeira-ministra, venceu com ampla margem as eleições gerais de novembro, com quase 50% dos votos, um “resultado excepcional”, imediatamente reconhecido pela oposição. Os trabalhistas de centro-esquerda registraram 49% de apoio e seu aliado, o Partido Verde, somou 7,6%. O Partido Nacional, de Judith Collins, principal força de oposição, apareceu com 27%.

Fernanda Simas, O Estado de São Paulo, 10 de janeiro de 2021 / Colaboraram Paulo Beraldo, Levy Teles, Rodrigo Turrer, Renata Tranches e Thaís Ferraz.


Incutir a dúvida, colher a certeza

Quando o presidente da República diz que houve fraude nas eleições de 2018, ele está acusando a Justiça Eleitoral de cumplicidade ou negligência com o crime. Ou a Justiça fez parte da fraude ou não foi capaz de garantir a lisura do processo eleitoral. Diante disso, o que fazer? Este o tema do artigo de Miriam Leitão em O Globo, edição de hoje.

A Procuradoria- Geral da República (PGR) teria que notificar o presidente para a apresentação das provas, dado que ele está publicamente dando a notícia de um crime. O PGR nada faz que incomode o presidente.

Tudo se passa no Brasil como se a democracia não pudesse se defender de um ataque que está sendo preparado lenta e consistentemente. Em parte, me explicou uma autoridade do Judiciário, “porque tudo é muito inusitado”. Em parte, porque o PGR foi neutralizado. O presidente Jair Bolsonaro não está agindo por impulso. Está repetindo há dois anos fatos sem comprovação. Ele está incutindo a dúvida para colher a certeza. E nada se faz, além das notas de repúdio, porque é inusitado que um presidente da República conspire contra a democracia. Só que está acontecendo. Aqui e nos Estados Unidos.

Bolsonaro age de caso pensado e de forma coerente. Ele tem um plano e dois anos pela frente para executá-lo usufruindo da imunidade que o cargo lhe dá. O objetivo dele no final todos conhecem. A democracia brasileira não tem sabido usar os instrumentos para se defender. Esta semana ele deu um passo adiante ao fazer uma ameaça. A de que ocorreria aqui algo mais grave do que o que houve nos Estados Unidos caso o voto não seja impresso.

O presidente brasileiro justificou o que houve nos Estados Unidos. Bolsonaro disse que foi causado por fraude, e ela surgiu porque “potencializaram a tal da pandemia”. Com isso ele está alimentando duas mentiras. A de que a pandemia foi “criada” com um propósito. E a de que houve fraude nos Estados Unidos. Isso justificaria o ataque ao capitólio, pelo que se depreende dessa fala. De forma terminativa, garantiu: “ninguém pode negar isso aí.” Todos os tribunais americanos recusaram as alegações de Trump de que houve fraude, todos os estados, mesmo os governados pelos republicanos, certificaram a eleição. Ou seja, todo mundo pode negar isso aí que o presidente brasileiro está afirmando.

A democracia americana tem 200 anos e foi alvo de um ataque. Trump estimulou durante semanas a invasão do capitólio. E mesmo sendo um lame duck, um governante em fim de mandato e com poderes declinantes, as instituições dos fundadores da Pátria americana não foram capazes de evitar o assalto. Foi preparada a conspiração à luz do dia e pelas redes sociais. O presidente usou o aparato da presidência para falar aos seus seguidores no dia mesmo do atentado. E toda a reação é a posteriori.

Nós temos uma democracia jovem que já passou por duros testes. O general Etchegoyen, que foi ministro do governo Temer, disse numa entrevista a Andréa Jubé do “Valor” que o Brasil despreza a força da nossa democracia. “A cada tosse, achamos que ela não vai aguentar.”

Mas como não ter dúvidas se o próprio general é capaz de fazer a seguinte afirmação: “Qual a atitude efetiva de Bolsonaro de desapreço à Constituição Federal, comparável a de alguns ministros do STF que não se constrangeram em agredir a gramática para dar sustentação à esdrúxula tese de apoio à reeleição, na mesma legislatura, dos presidentes das duas Casas do Congresso?”

No STF, venceu o respeito à proibição da reeleição na Câmara e no Senado. Alguns ministros queriam ignorar o sentido da palavra “vedado”. Mas o general usa esses votos, que acabaram derrotados, para abonar o que Bolsonaro já fez. Ele não acha que seja atitude efetiva de desapreço pela Constituição o presidente participar de passeatas pedindo o fechamento do Congresso e do STF. Mesmo quando Bolsonaro foi para um desses eventos no helicóptero da Aeronáutica, tendo o ministro da Defesa a bordo, e disse que as Forças Armadas estavam com eles. O difícil, general, é encontrar demonstrações de apreço de Bolsonaro pela Constituição. Desapreço, há muitas. Etchegoyen é um general de pijama, hoje na iniciativa privada. Mas defende que Bolsonaro nunca mostrou desapreço pela democracia.

Diante dessa falta de sensibilidade para as afrontas à lei por parte de líderes políticos e militares, o presidente continua semeando dúvidas sobre o sistema eleitoral para colher o caos quando for a hora.

Miriam Leitão é analista de economia e política de O Globo. Publicado originalmente em 10.01.2021.

Com Alvaro Gribel (de São Paulo)

sábado, 9 de janeiro de 2021

Brasil precisa tomar cuidado com (o mau) exemplo de Trump

Bolsonaro insinuou que aqui seria ‘pior’. País precisará estar preparado para resposta política e institucional

A sociedade e as instituições republicanas brasileiras precisam se preparar. Numa referência aos eventos desta semana nos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro insinuou que aqui ocorrerá o mesmo, caso perca a eleição em 2022: “Se não tivermos o voto impresso em 22, uma maneira de auditar o voto, vamos ter problema pior que os Estados Unidos”.

Veladamente, a declaração deixa claro que ele está disposto a, mais uma vez, imitar seu mentor americano e incitar atos violentos e antidemocráticos. Por sinal, nem é preciso que perca. Desde muito antes da invasão do Capitólio pelas hostes trumpistas, Bolsonaro semeia dúvidas sobre as urnas eletrônicas e, sem apresentar prova, já denunciou fraudes eleitorais no Brasil até em 2018, quando ele próprio venceu.

O Brasil tem um sistema eleitoral mais confiável, eficaz e seguro que o americano. Todos os testes e auditorias externas comprovam isso. É indigente o argumento de que é preciso ter um rastro físico de cada voto, já que as seções eleitorais imprimem uma lista que fica à disposição dos fiscais partidários. Na prática, o rastro físico já existe. Tanto que a imposição do voto impresso por um projeto de Bolsonaro foi vetada pela presidente Dilma e declarada inconstitucional pelo Supremo.

Bolsonaro retomou o mote das fraudes eleitorais ao reverberar as denúncias infundadas feitas por Trump, todas derrubadas pela Justiça e pela recontagem de votos em vários estados. Claro que não é a lisura das eleições que está em jogo nas tentativas contemporâneas de autogolpe. A intenção é manter as bases radicais mobilizadas à espera de ordens como a que deu Trump para a invasão do Capitólio.

O projeto de desencadear uma crise institucional vem sendo esboçado há muito tempo, por atos e declarações descabidas do presidente e de seu clã. Trump incentivou um movimento de sedição e, ante a possibilidade de ser afastado antes da posse de Joe Biden, viu-se obrigado a recuar. A resposta política e institucional americana serve de exemplo. Como nossas instituições não têm a mesma resiliência, é preciso que o país se resguarde para evitar o “pior” a que Bolsonaro se referiu.

Houve acertada repulsa às palavras de Bolsonaro entre ministros do Supremo. “Uma importante lição da história é que governantes democráticos desejam ordem”, disse Luís Roberto Barroso, também presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). “Por isso mesmo não devem fazer acenos para desordens futuras, violência e agressão às instituições.” O ministro Edson Fachin foi ainda mais incisivo ao afirmar que “a violência cometida contra o Congresso americano deve colocar em alerta a democracia brasileira”.

É necessário desde já fortalecer a Constituição para evitar o retrocesso da democracia no país. A Carta já nos garantiu 33 anos consecutivos de democracia, recorde na República. Não se imagina que as Forças Armadas como instituição aceitem rasgá-la e retroceder a um passado longínquo. Ao contrário. Todas as armas que a Carta prevê na defesa do estado democrático de direito devem ser acionadas.

Editorial de O GLOBO, edição de 09.01.2021

(A expressão "o mau" no título foi inserida pelo editor do blog). 

Cada vez mais isolado, Trump é ameaçado novamente de impeachment

Processo, que leva semanas, pode não ser concluído antes que o presidente eleito Joe Biden tome posse, em 20 de janeiro.

Os democratas norte-americanos começeram a preparar, neste sábado (9), um segundo processo de impeachment contra o presidente Donald Trump, que não dá sinais de renunciar após a ação violenta de seus partidários no Capitólio.

Os democratas informaram que o processo de impeachment pode começar na segunda-feira (11) —num ritmo extraordinariamente acelerado de um processo que historicamente leva semanas, mas que pode não ser concluído antes que o presidente eleito Joe Biden tome posse, em 20 de janeiro.

A presidente da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, alertou que os democratas vão lançar o processo a menos que Trump renuncie ou que o vice-presidente Mike Pence invoque a 25ª Emenda, onde o gabinete destitui o presidente.

"Ele é louco, desequilibrado e perigoso. Ele deve partir", tuitou Pelosi, referindo-se a Trump, na sexta-feira (8).

A nova ameaça de destituição ganhou força após a invasão do Capitólio na quarta-feira (6) por apoiadores de Trump, que terminou com cinco mortos, incluindo um policial.

As autoridades anunciaram neste sábado que prenderam 18 dos invasores, entre eles Jake Angeli, que se tornou um símbolo do ato contra o Capitólio com seu rosto pintado de vermelho, branco e azul e por usar uma chapéu de chifres de bisão.

Perigo para os EUA

O texto de impeachment que está sendo preparado pelos democratas culpa diretamente o presidente pelo incidente.

"Em tudo isso, o presidente Trump ameaçou gravemente a segurança dos Estados Unidos e de suas instituições de governo. Ele ameaçou a integridade do sistema democrático, interferiu na transição pacífica de poder e colocou em perigo um braço coordenado do governo".

O documento já foi assinado por pelo menos 180 congressistas, de acordo com o democrata Ted Lieu.

Trump, que pediu a seus partidários que se reunissem em Washington na quarta-feira para um protesto contra sua derrota nas eleições de novembro, segue firme, mesmo depois de finalmente postar um vídeo na quinta-feira prometendo tardiamente uma "transição ordenada" para o governo Biden.

Mas o presidente também ressaltou que era "apenas o começo da nossa luta".

Esse tipo de linguagem levou o Twitter a suspender a conta de Trump permanentemente e alimentou as ações dos democratas contra ele.

À suspensão de sua conta no Twitter, @realDonaldTrump, o republicano reagiu em um comunicado na sexta-feira acusando a plataforma de "coordenar com os democratas e a esquerda radical".

Biden cede ao Congresso

Vários democratas e pelo menos uma republicana — a senadora Lisa Murkowski, do Alasca — pediram que Trump renunciasse e evitasse a confusão de um processo de impeachment em sua última semana completa no poder.

Trump garantiu que não esperava que seus partidários atacassem o prédio do Capitólio, onde o Congresso se reunia para certificar a vitória de Biden, mas apenas pretendia encorajar protestos pacíficos.

Mas em meio ao caos daquele dia, uma apoiadora de Trump foi baleada e morta, legisladores, repórteres e funcionários foram forçados a se abrigar, um policial do Capitólio foi morto e os invasores saquearam e vandalizaram o edifício histórico.

Assim como quando Trump sofreu processo de impeachment em uma traumática votação partidária em 2019 — mas em que terminou sem ser condenado — o processo exige primeiro o apoio da maioria na Câmara de Representantes controlada pelos democratas e, em seguida, para a condenação, a aprovação de dois terços no Senado.

Atingir dois terços pode ser difícil num Senado dividido, mas vários republicanos que há muito apoiam Trump expressaram sua repulsa com os eventos de quarta-feira.

Apoiadores de Trump, incluindo o senador Lindsey Graham, pediram que Biden atue junto aos principais legisladores democratas para impedir o esforço de impeachment.

"Estou ligando para o presidente eleito Biden, para Nancy Pelosi e para o 'Squad' para encerrar o segundo impeachment", disse Graham na sexta-feira à Fox News, referindo-se à presidente da Câmara e a um grupo de quatro jovens democratas progressistas.

Mas Biden evitou, na sexta-feira, a pergunta de um repórter sobre o impeachment. "O que o Congresso decidir fazer é o que deve fazer", disse ele.

Por France Press / 09/01/2021, às  20h54. Publicado no Brasil pelo G1.

Brasil tem em média 988 mortes por coronavírus, maior número desde 22 de agosto; média de casos novos é recorde

País contabilizou 202.657 óbitos e 8.075.670 casos da doença desde o início da pandemia. Pelo segundo dia seguido, nenhum estado apresenta queda nas mortes.

Brasil tem 988 mortes por coronavírus em 24 horas e média de casos novos é recorde

O consórcio de veículos de imprensa divulgou novo levantamento da situação da pandemia de coronavírus no Brasil a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde, consolidados às 20h deste sábado (9).

O país registrou 1.115 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 202.657 óbitos desde o começo da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes no Brasil nos últimos 7 dias foi de 988, a maior desde 22 de agosto. A variação foi de +58% em comparação à média de 14 dias atrás, indicando tendência de crescimento nos óbitos pela doença.

Em casos confirmados, desde o começo da pandemia 8.075.670 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 59.750 desses confirmados no último dia. A média móvel nos últimos 7 dias foi de 51.550 novos diagnósticos por dia, recorde desde que os dados começaram a ser medidos. Isso representa uma variação de +48% em relação aos casos registrados em duas semanas, o que indica tendência de crescimento também nos diagnósticos.

Dezesseis estados, mais o Distrito Federal, estão com alta nas mortes: PR, RS, MG, RJ, SP, DF, GO, AC, AM, AP, RO, RR, TO, CE, PB, RN e SE.

Pelo segundo dia seguido, nenhum estado apresenta queda nas mortes.

Brasil, 9 de janeiro

Total de mortes: 202.657

Registro de mortes em 24 horas: 1.115

Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 988 (variação em 14 dias: +58%)

Total de casos confirmados: 8.075.670

Registro de casos confirmados em 24 horas: 59.750

Média de novos casos nos últimos 7 dias: 51.550 por dia (variação em 14 dias: +48%)

Estados

Subindo (16 estados + DF): PR, RS, MG, RJ, SP, DF, GO, AC, AM, AP, RO, RR, TO, CE, PB, RN e SE

Em estabilidade, ou seja, o número de mortes não caiu nem subiu significativamente (10 estados): SC, ES, MS, MT, PA, AL, BA, MA, PE e PI

Em queda: 0 estado

Essa comparação leva em conta a média de mortes nos últimos 7 dias até a publicação deste balanço em relação à média registrada duas semanas atrás (entenda os critérios usados pelo G1 para analisar as tendências da pandemia).

Vale ressaltar que há estados em que o baixo número médio de óbitos pode levar a grandes variações percentuais. Os dados de médias móveis são, em geral, em números decimais e arredondados para facilitar a apresentação dos dados.

Por G1, em 09.01.2021

Maia diz que Bolsonaro é 'covarde' e tem 'culpa' por 200 mil mortes causadas pela covid-19

Parlamentar atacou o presidente nas redes sociais, ao comentar notícia que afirma que o presidente credita a Pazuello o atraso nas vacinas e a queda da sua popularidade

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), chamou o presidente Jair Bolsonaro de "covarde" em uma publicação no Twitter na tarde deste sábado, 9. Minutos depois, Maia disse que Bolsonaro tem "culpa" pelas 200 mil mortes provocadas pela covid-19.

Primeiro, o parlamentar compartilhou uma nota da coluna Radar, da revista Veja, que aponta suposta insatisfação do chefe do Planalto com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

"Bolsonaro é covarde", escreveu Maia ao compartilhar a notícia com o título "Bolsonaro culpa Pazuello por perda de popularidade e atraso da vacina". A insatisfação, de acordo com a coluna da revista, teria sido manifestada em reunião ministerial convocada pelo Planalto para discutir a vacinação contra a covid-19. A coluna diz ainda que a situação de Pazuello diante do presidente melhorou um pouco depois que o ministro resolveu atacar a imprensa em uma entrevista coletiva nesta semana, atitude aprovada pelo chefe. Procurado, o Planalto não comentou a declaração do presidente da Câmara.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Foto: MARYANNA OLIVEIRA/AGÊNCIA CÂMARA

Após a pressão para o Brasil começar a vacinação, o Ministério da Saúde preparou um plano para aplicar as doses a partir deste mês. Na quinta-feira, 7, a pasta anunciou um contrato para comprar 100 milhões de doses da Coronavac, vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac e que será distribuída no Brasil pelo Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo.

Na sequência, o presidente da Câmara fez mais uma publicação sobre o conoravírus. "Bolsonaro: 200 mil vidas perdidas até agora. Você tem culpa." Nesta quinta-feira, 7, o Brasil atingiu a marca de 200 mil mortes pela covid-19. Bolsonaro disse, naquele dia, que lamenta as vítimas da pandemia, mas que "a vida continua". 

Maia disputa com Bolsonaro o controle da Câmara dos Deputados a partir de fevereiro. Mais cedo, o parlamentar intensificou a reação após o deputado Arthur Lira (Progressistas-AL), candidato à presidência da Casa, ter feito um comentário sobre suposta pressão para influenciar o resultado. Maia afirmou que Lira, aliado de Bolsonaro, usa as mesmas práticas do "chefe" para dirigir ataques contra adversários.

'Bolsonaro é covarde', escreveu o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Foto: Reprodução]]

Daniel Weterman, O Estado de São Paulo / 09 de janeiro de 2021 | 16h39

Banido do Twitter, Trump tenta sem sucesso usar perfis do governo e de campanha

O Twitter excluiu na sexta-feira (9) novos tuítes do presidente dos EUA, Donald Trump, dessa vez disparados da conta oficial do governo (@POTUS). A rede suspendeu ainda a conta de campanha presidencial (@TeamTrump) pelo mesmo motivo.

Horas depois de sua conta principal (@realDonaldTrump) ser banida, Trump tuitou "Não seremos SILENCIADOS!" da conta do governo, que possui 33,4 milhões de seguidores e é passada de presidente para presidente. 

"O Twitter não é sobre LIBERDADE DE EXPRESSÃO", prosseguiu Trump nos tuítes agora excluídos, acrescentando que está considerando construir sua própria plataforma de mídia social em um futuro próximo.

A conta de campanha do presidente foi outra a ser banida, logo depois dela enviar um tuíte com uma "declaração do presidente Trump" acusando o Twitter de "banir a liberdade de expressão" e coordenar com "os democratas e a esquerda radical" para silenciá-lo.

Gary Coby, diretor de campanha digital de Trump, tentou "emprestar" sua conta (@garycoby) para o chefe, mudando o nome do perfil para "Donald J. Trump" e colocando uma foto do chefe do executivo. Também foi suspensa.

Procurado, o Twitter disse que as contas usadas por Trump para tentar contornar a proibição podem enfrentar suspensão permanente sob suas políticas.

Da Reuters / Publicado pela CNN Brasil, em 09.01.2021

Veículo com bombas foi encontrado próximo ao capitólio, nos Estados Unidos

Na última quarta-feira (6), dia em que extremistas norte-americanos invadiram o congresso dos Estados Unidos, a polícia encontrou uma caminhonete, estilo pick up, com onze bombas caseiras explosivas e duas armas. 

O veículo estava estacionado a dois quarteirões do Capitólio e ficou parada por algumas horas até que os policiais descobrissem e o esquadrão anti-bombas desarmasse os explosivos.   

O dono da caminhonete foi encontrado pelos policiais. Ele estava na região e portava duas pistolas. O homem foi preso.

Outro homem também foi preso, acusado de enviar mensagens para conhecidos dizendo que ele queria matar a Presidente da Câmara dos Deputados, a democrata Nancy Pelosi. Ele chegou a Washington um dia antes da invasão e nas mensagens ele dizia que iria atirar ou atropelar Pelosi.

Outros criminosos ainda estão sendo localizados pelo FBI e polícia norte-americana, que está utilizando tecnologia de reconhecimento facial. Ao todo, cinco pessoas morreram e mais de sessenta foram presas.  

Da CNN, em São Paulo / 09 de janeiro de 2021 (Publicada por Luiz Raatz)

Extremistas intensificam tom violento antes do Dia da Posse

Apoiadores de Trump invadiram o prédio do Capitólio, em Washington D.C / Foto: Reprodução/Twitter

"Trump ou guerra. Hoje. Simples assim”.

“Se você não sabe atirar, você precisa aprender. AGORA”.

“Vamos invadir os prédios do governo, matar policiais, matar seguranças, matar servidores e agentes federais e exigir uma recontagem”.

Nas semanas, dias e horas antes do cerco de quarta-feira (6) ao Capitólio pelos fiéis partidários do presidente Donald Trump, os sinais de alerta foram claros: postagens online de grupos de ódio e provocadores de direita conclamavam a guerra civil, as mortes de legisladores importantes e os ataques às forças policiais.

Agora, enquanto a poeira assenta e o país luta para dar sentido à violência que deixou cinco mortos – incluindo um oficial da Polícia do Capitólio dos Estados Unidos – especialistas alertam que os apelos à violência só estão intensificando antes do Dia da Posse, quando o presidente-eleito Joe Biden será empossado como comandante-chefe.

“Estamos vendo conversas desses supremacistas brancos, dos radicais da extrema direita - eles estão se sentindo encorajados neste momento”, afirmou Jonathan Greenblatt, CEO da Liga Antidifamação (ADL), que rastreia e combate o ódio. “Acreditamos que esta violência pode piorar antes de melhorar”.

O caos do dia 6 – que eclodiu durante um protesto para dissuadir o Congresso de certificar os resultados da vitória inequívoca de Biden – mostrou uma perda de controle e súbita quebra do vínculo que por quatro anos manteve Trump, seus apoiadores e a liderança republicana unidos. 

Depois que os arruaceiros derrubaram barricadas, agrediram policiais, quebraram janelas e invadiram o edifício sagrado da democracia (que havia sido invadido apenas uma vez na história, quando foi incendiado pelos militares britânicos invasores em 1814), Trump fez um morno apelo para que eles voltassem para casa – e, de novo, repetiu a mentira de que a eleição tinha sido roubada. Naquela noite, líderes republicanos naquela noite – incluindo o vice-presidente Mike Pence e o líder da maioria no Senado Mitch McConnell – condenaram os manifestantes nos termos mais veementes.

Mas tudo pareceu ter pouco efeito sobre a direita radicalizada.

“Trump SERÁ empossado para um segundo mandato em 20 de janeiro!!", disse uma pessoa no site thedonald.win, um fórum online pró-Trump, na quinta-feira, um dia após o ataque. “Não devemos deixar os comunistas vencerem. Mesmo se tivermos que queimar DC até as cinzas. Amanhã retomaremos DC e retomaremos nosso país!!”

Preocupações antes da posse

John Scott-Railton, pesquisador sênior do Citizen Lab, um grupo da Universidade de Toronto que monitora a segurança cibernética, disse que está “terrivelmente preocupado” com a posse.

“Enquanto o povo em geral ficou horrorizado com o que aconteceu (na quarta-feira) no Capitólio, em certos cantos de conversa de direita o que ocorreu é visto como um sucesso”, afirmou à CNN.

Nos dias e semanas antes do ataque ao Capitólio, sinais de que o protesto poderia se transformar em violência eram abundantes.

A Advance Democracy, Inc., uma agência apartidária de governança, destacou os sinais de alerta nas redes sociais. Nos seis dias que antecederam o evento, por exemplo, havia 1.480 postagens de contas relacionadas à QAnon que faziam referência ao evento e continham termos de violência. Segundo o relatório, vários posts no Parler se referiram a uma guerra, incluindo declarações como “a guerra começa hoje”.

Ali Alexander, um ativista político que organizou comícios pró-Trump, incluindo uma das manifestações que convergiram no gramado do Capitólio na quarta-feira, acusou a esquerda de “tentar nos empurrar para a guerra”. No final de dezembro, Alexander disse a seguidores no Periscope que ele e três congressistas republicanos – os deputados Paul Gosar e Andy Biggs do Arizona e Mo Brooks do Alabama – estava planejando algo grande.


Apoiadores de Donald Trump protestam em frente ao capitólio / Foto: REUTERS/Mike Theiler

“Era para criar um ímpeto e gerar pressão e, então, no dia seguinte, mudar os corações e mentes das pessoas do Congresso que ainda não haviam decidido ou que viam toda aquela gente do lado de fora e pensavam: ‘Não posso estar do lado oposto dessa multidão’”, disse Ali, que insistiu, entretanto, que não tenha pedido violência.

A CNN procurou os escritórios dos três congressistas, mas apenas Biggs respondeu, com uma declaração de um porta-voz negando que ele tenha trabalhado de alguma forma com Alexander ou qualquer manifestante.

“O congressista Biggs não tem conhecimento de ter ouvido falar ou se encontrado com o Senhor Alexander em nenhum momento – muito menos de ter trabalhado com ele para organizar parte de um protesto planejado”, disse o porta-voz. “Ele não teve nenhum contato com manifestantes ou arruaceiros, nem encorajou ou fomentou a manifestação ou protestos. Ele estava concentrado em sua pesquisa e nos argumentos para trabalhar dentro dos limites da lei e estabelecer precedentes para restaurar a integridade de nossas eleições e garantir que todos os norte-americanos – independentemente da filiação partidária – possam novamente ter total confiança em nossos sistemas eleitorais”.

Agências emitiram avisos antes do cerco

Várias organizações que monitoram o extremismo online emitiram avisos antecipadamente.

Em 4 de janeiro, a ADL publicou uma longa postagem em seu blog detalhando ameaças de violência relativas ao comício que se aproximava.

“Em resposta a um usuário que se perguntou o que aconteceria se o Congresso ignorasse a ‘evidência’ de que o presidente Trump venceu a eleição, um usuário escreveu: “Invadir o Capitólio’'", diz a postagem do blog da ADL.

O post continuou a dizer que, embora não tivesse conhecimento de quaisquer ameaças credíveis de violência planejadas para 6 de janeiro, “se o passado é alguma indicação, a combinação de uma presença extremista nos comícios e a natureza acalorada da retórica sugere que a violência é uma possibilidade”.

Também em 4 de janeiro, uma análise de risco feita pela empresa de segurança G4S afirmou que “a retórica atual sugere que haverá participantes com intenções violentas, incluindo grupos de milícias armadas” entre 6 e 20 de janeiro, data da posse.

A análise citou vários posts nas últimas semanas defendendo a violência no site de direita thedonald.win, incluindo uma do final de dezembro que dizia: “Teremos que alcançar uma vitória tática real, como invadir e ocupar o Congresso, para ter o efeito pretendido”.

Outro disse: "Patriotas que AINDA, NESTE MOMENTO, são covardes demais para tolerar a violência, são parte do problema”.

Especialistas em segurança disseram que ficaram intrigados com a resposta direta da polícia.

“É surpreendente o porquê do policiamento muito menos agressivo”, disse Jonathan Wood, diretor de análise de risco global da Control Risks, com sede em Londres. “Muitos analistas de segurança ficaram surpresos com a falta de segurança e de uma resposta de segurança robusta”.

Policiais pegos de surpresa

Policiais federais e locais insistem que não faziam ideia de que o cerco aconteceria.

“Não houve inteligência que sugerisse que haveria uma violação do Capitólio dos EUA”, disse o chefe de polícia de DC, Robert Contee, em uma entrevista coletiva no dia seguinte.

Steven A. Sund, que renunciou ao cargo de chefe da Polícia do Capitólio dos EUA em meio a críticas sobre a aparente falta de preparo para lidar com a multidão violenta, disse em um comunicado que o departamento tinha um plano robusto para lidar com “atividades previstas da Primeira Emenda”. A Primeira Emenda garante o direito de se expressar e se manifestar, entre outras coisas.


“Mas, não se enganem: esses distúrbios em massa não foram atividades da Primeira Emenda, foram um comportamento criminoso desenfreado”, continuou.

Manifestantes pró-Trump invadem Capitólio / Foto: Leah Millis/Reuters

Quanto à segurança no Dia da Posse, o Serviço Secreto divulgou um comunicado dizendo que seus planos para o evento estão em construção há muito tempo.

“A posse do presidente dos Estados Unidos é um elemento fundamental de nossa democracia”, disse a agência em um comunicado. “A segurança e proteção de todos os participantes da 59ª posse presidencial é de extrema importância”.

Robert Dodge, presidente de serviços de risco corporativo da G4S (que emitiu o alerta de 4 de janeiro) disse nos meses que antecederam 6 de janeiro, viu “muita retórica preocupante e hostil, que em nosso mundo chamamos de indicador de ameaça”.

Ele acrescentou que o edifício do Capitólio dos EUA parecia não ter a fortificação adequada.

“Será que as pessoas que se aproximam do Capitólio viram um nível adequado de barreiras físicas, de barreiras psicológicas, como sinais dizendo não cruze esta linha ou você será preso?", questionou. “Você viu as janelas de vidro sendo quebradas. Por que algumas delas não foram reforçadas? Parece que houve alguns ameaças sérias de segurança física que foram deixados para a polícia do Capitólio mitigar”.

Varridos pela desinformação

Não são apenas os elementos marginais que foram arrastados pelo fervor atual. Misturando-se à multidão de grupos de milícias, nacionalistas brancos e teóricos da conspiração de alto nível no gramado do Capitólio na quarta-feira, estavam outros cidadãos que fizeram a viagem para questionar a certificação da eleição.

Uma era a moradora do Texas e ex-candidata a prefeita Jenny Cudd, cujo slogan de campanha foi simplesmente "Jenny para Prefeita".

Depois de protestar contra o que ela descreveu como fraude eleitoral e uma eleição roubada, ela pediu a morte daqueles que cometeram traição.

“Tudo o que precisamos é de um enforcamento em praça pública, e então as pessoas começarão a agir da maneira certa. Acho que seria útil se ainda tivéssemos o pelotão de fuzilamento para a pena de morte”, disse Cudd. “Veremos se haverá um enforcamento público em nosso futuro porque esse ainda é considerado um jeito válido de morte por traição".

Cudd postou um vídeo na noite anterior aos protestos, no qual falou sobre como o dia seguinte seria um "tumulto".

“Não sei o que vocês pensam sobre uma revolução, mas sou totalmente a favor”, afirmou. “Ninguém realmente quer guerra, ninguém quer derramamento de sangue, mas o governo trabalha para nós e infelizmente parece que eles se esqueceram disso, muito; então, se uma revolução é necessária, que seja”.

Donald Trump discursou para apoiadores nesta quarta-feira (6)

Foto: CNN Brasil (6.jan.2021)

A rede de notícias de direita OANN postou uma foto de Cudd no Twitter na tarde de quarta-feira, mostrando-a dentro do Capitólio, usando uma bandeira Trump como uma capa. Naquela noite, ela postou um vídeo de seu hotel, onde bebeu uma cerveja e sufocou as lágrimas enquanto conduzia seus seguidores sobre o que havia acontecido naquele dia.

“O momento em que Pence nos traiu foi quando decidimos invadir o Capitólio”, disse.

Na sexta-feira, Cudd disse a uma agência de notícias de TV local que ela não fez nada ilegal.

“Eu subi mesmo os degraus e daí vi uma porta aberta para o Capitólio”, contou. “Eu, pessoalmente, não destruí nada, destruí nada”.

Em resposta a um pedido de comentário da CNN na sexta-feira, Cudd mandou uma mensagem de texto com um link para um vídeo dela mesma repetindo uma versão da declaração que ela fez para o meio de comunicação local, dizendo: “a cultura do cancelamento está em pleno vigor” e que ela recebeu “várias ameaças de morte, junto com milhares de avaliações de uma estrela” para sua empresa.

Joel Finkelstein, diretor do Network Contagion Research Institute da Universidade Rutgers, disse que conspirações na web cresceram de sites menores e obscuros como o 8kun, frequentado por adeptos do QAnon, a sites mais populares como Facebook, Twitter e Instagram. O resultado, disse ele, é que muitas das pessoas atraídas pelos protestos de quarta-feira não eram extremistas, mas sim norte-americanos comuns que não entenderam que haviam sido enganados.

“São nossos vizinhos: eles são nossos vizinhos e amigos”, contou. “São pessoas que todos conhecemos. Eles estavam fazendo isso no Facebook. Eles estavam fazendo isso no Twitter. As ameaças à nossa democracia não vêm apenas do 8chan. E não estão vindo apenas da QAnon”.

Algumas das conversas mais violentas nas redes sociais refletem o que parece ser uma hostilidade crescente para com os líderes republicanos por parte dos apoiadores de Trump.

“Tenho quase certeza de que ver Pelosi e Mitch escroto balançando os corpos em uma corda vai trazer mais atenção do gado que normalmente não segue ou se preocupa com política”, disse um comentarista na quarta-feira no thedonald.win.

Como as forças policiais começaram a agir com mais peso sobre grupos extremistas de direita (o líder dos Proud Boys, Henry “Enrique” Tarrio foi preso pela polícia de DC antes do protesto de 6 de janeiro), os especialistas estão percebendo uma antipatia crescente pela polícia nesses círculos, que tendem a se considerar aliados de homens e mulheres uniformizados.

“Isso cria uma situação muito perigosa”, pontuou Cassie Miller, analista de pesquisa sênior do Southern Poverty Law Center. “Porque não só pode haver encontros violentos com os esquerdistas, mas também aumenta o potencial de que haverá um confronto violento com os policiais também”.


Yahya Abou-Ghazala da CNN, Nelli Black, Blake Ellis, Drew Griffin, Melanie Hicken e Benjamin Naughton contribuíram para esta reportagem.

Rob Kuznia, Curt Devine, Scott Bronstein e Bob Ortega, da CNN. Publicado pela CNN Brasil, em 09 de janeiro de 2021 às 13:08. / (Texto traduzido, leia o original em inglês).

Banido do Twitter, Trump tenta sem sucesso usar perfis do governo e de campanha


Donald Trump, presidente dos Estados Unidos

O Twitter excluiu na soto: REUTERSexta-feira (9) novos tuítes do presidente dos EUA, Donald Trump, dessa vez disparados da conta oficial do governo (@POTUS). A rede suspendeu ainda a conta de campanha presidencial (@TeamTrump) pelo mesmo motivo.

Horas depois de sua conta principal (@realDonaldTrump) ser banida, Trump tuitou "Não seremos SILENCIADOS!" da conta do governo, que possui 33,4 milhões de seguidores e é passada de presidente para presidente. 

"O Twitter não é sobre LIBERDADE DE EXPRESSÃO", prosseguiu Trump nos tuítes agora excluídos, acrescentando que está considerando construir sua própria plataforma de mídia social em um futuro próximo.

A conta de campanha do presidente foi outra a ser banida, logo depois dela enviar um tuíte com uma "declaração do presidente Trump" acusando o Twitter de "banir a liberdade de expressão" e coordenar com "os democratas e a esquerda radical" para silenciá-lo.

Gary Coby, diretor de campanha digital de Trump, tentou "emprestar" sua conta (@garycoby) para o chefe, mudando o nome do perfil para "Donald J. Trump" e colocando uma foto do chefe do executivo. Também foi suspensa.

Procurado, o Twitter disse que as contas usadas por Trump para tentar contornar a proibição podem enfrentar suspensão permanente sob suas políticas.

 Da Reuters / Publicado no Brasil pela CNN Brasil, em 09 de janeiro de 2021 às 14:26 | Atualizado 09 de janeiro de 2021 às 14:30

sexta-feira, 8 de janeiro de 2021

Declarações de Bolsonaro e extremismo nos EUA ligam alerta nas Forças Armadas

Na avaliação dos integrantes das Forças Armadas, manifestações incentivadas por uma autoridade legalmente constituída, como Bolsonaro, podem ganhar maior proporção.

(crédito: Acácio Pinheiro/Agência Brasília)

As declarações do presidente Jair Bolsonaro de que atos de violência, como os vistos na invasão do Congresso dos Estados Unidos, possam se repetir no Brasil em 2022 levantaram o alerta da alta cúpula das Forças Armadas. A avaliação, dentro de Exército, Marinha e Aeronáutica, é de que os militares, dificilmente, embarcariam em uma investida autoritária contra um presidente eleito. No entanto, existem preocupações com manifestações civis.

Um dos fatos lembrados no setor é a Garantia da Lei e da Ordem (GLO), convocado pelo presidente Michel Temer, em 2017, contra manifestantes resistentes à reforma da Previdência e que depredaram edifícios da Esplanada. Naquele dia ocorreram tentativas falhas de invasão ao Congresso, repelidas pelas forças de segurança.

No entanto, na avaliação dos integrantes das Forças Armadas, manifestações incentivadas por uma autoridade legalmente constituída, como Bolsonaro, podem ganhar maior proporção, assim como ocorreu na capital norte-americana. “O que temos de ressaltar é que a nossa sociedade é mais jovem e imatura do que a norte-americana”, destaca um integrante da Aeronáutica, ouvido pela reportagem.

Repetição

Entre os especialistas, as impressões são parecidas, com maiores preocupações em torno de manifestações civis. O cientista político Cristiano Noronha, sócio da Arko Advice, lembrou que o discurso de Bolsonaro de contestar o processo eleitoral vem de antes de sua eleição. “Já disse que tem provas sobre isso, mas nunca apresentou. Se ele perder em 2022, vai colocar em dúvida as nossas urnas e pode acontecer coisa semelhante com o que ocorreu nos Estados Unidos”, afirmou. No entanto, Noronha acrescentou que os Poderes constituídos não vão corroborar a insurgência, tampouco as Forças Armadas.

“Não vai haver apoiamento por parte das Forças Armadas, do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), do Congresso e, muito menos, do Supremo (Supremo Tribunal Federal). Existem mecanismos institucionais e democráticos de questionamento. Houve na chapa da ex-presidente Dilma e há em curso da chapa do próprio Bolsonaro”, pontuou. “A confusão pode ocorrer, mas não terá apoio, mesmo com militares no governo, porque estão lá como pessoas físicas e não como instituição. O risco de os militares apoiarem isso é muito baixo”, estimou.

Para o cientista político João Feres Júnior, professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e coordenador do Observatório do Legislativo Brasileiro, Bolsonaro cooptou os militares, empregando muitos deles, que ganham adicional no salário. “Essas pessoas vão apoiá-lo, muito mais por motivação econômica do que ideológica, mas isso não quer dizer que a instituição Forças Armadas vai se arriscar nessa aventura”, analisou.

Vicente Nunes, Simone Kafruni e Renato Souza / Correio Braziliense. Postado em 08/01/2021 06:00 / atualizado em 08/01/2021 15:10.

Temores sobre instabilidade de Trump assombram os últimos dias de seu mandato


Donald Trump, presidente dos Estados Unidos / Foto: REUTERS

Os Estados Unidos enfrentam agora 13 dias de perigo antes da partida de um comandante-chefe desequilibrado, capaz de enviar invasores para o Capitólio dos EUA em um ato de insurreição que destruiu uma tradição de mais de 220 anos de transições pacíficas de poder.

O comportamento golpista do presidente Donald Trump provocou uma crise total dentro de seu bunker da Casa Branca em seus últimos dias, após um rompimento com seu ultraleal vice-presidente Mike Pence, que se recusou a se juntar ao esforço fútil, mas destrutivo, para reverter o resultado da eleição.

Depois de orquestrar um dos dias mais notórios da história política dos Estados Unidos e arrasar a democracia ao se recusar por semanas a aceitar sua derrota, Trump repentinamente emitiu um comunicado de madrugada, prometendo uma transição ordenada de poder para o presidente eleito Joe Biden em 20 de janeiro.

Mas, como de costume, a mudança pareceu motivada por interesse próprio, em vez de um senso de dever, pois soou como uma tentativa de conter uma onda de demissões da Ala Oeste da Casa Branca, ao mesmo tempo em que se travavam conversas sobre um impeachment ou esforço do Gabinete para invocar a 25ª Emenda para forçá-lo a deixar o cargo.

Em cenas inacreditáveis na quarta-feira, bandidos saqueadores marcharam direto de um comício incendiário de Trump para invadir o Capitólio. O objetivo deles era impedir os legisladores de finalizar a vitória do presidente eleito Joe Biden antes da posse em 20 de janeiro. Mas a confusão, com arruaceiros quebrando janelas e sitiando legisladores, chegando até os plenários da Câmara e do Senado, teve o efeito oposto, apressando o momento de repúdio para o presidente e suas alegações infundadas de uma eleição roubada.

Uma série de republicanos do Senado que pretendia prolongar a façanha do presidente mostrou repulsa pela tomada do Capitólio, a casa da democracia, em uma culminação feia de uma presidência sem lei. Mas, apesar da indignação perpetrada pelos apoiadores de Trump, mais de 100 de seus aliados na Câmara – uma maioria de republicanos – ainda votaram para sustentar alegações totalmente falsas de fraude eleitoral. 

Pouco antes das 4h da manhã da quinta-feira (7), horário do leste dos EUA, Pence leu a contagem final dos votos eleitorais – 306 a 232 a favor do presidente eleito – e então a Constituição e a vontade do povo triunfaram sobre a atordoante tentativa de golpe de Trump.

Pouco depois, o presidente emitiu uma declaração por escrito prometendo uma transição ordenada em 20 de janeiro, embora tenha dito que discordava do resultado da eleição, mais uma vez repetindo falsas afirmações sobre como os fatos estavam do seu lado.

“Embora isso represente o fim do maior primeiro mandato da história presidencial, é apenas o começo de nossa luta para Tornar a América Grande Novamente!”, Trump escreveu.

A violação do Capitólio pela primeira vez desde 1814 ofuscou resultados extremamente significativos de duas eleições de segundo turno na Geórgia que entregou aos democratas o controle do Senado. As vitórias do reverendo Raphael Warnock e de Jon Ossoff transformarão as perspectivas para a presidência de Biden. Mesmo assim, o governo vai começar com uma nação dividida em duas pelo comportamento sedicioso de Trump e consumida por uma pandemia assassina e crescente que produziu um novo recorde diário de mais de 3.800 mortes.

Mas, antes disso, há uma preocupação crescente com a estabilidade de um presidente que teve suas contas no Twitter e no Facebook suspensas por causa da incitação da violência, mas mantém o poder total da presidência e os códigos nucleares.

Dentro de seu bunker na Casa Branca na noite de quarta-feira, Trump teve reações explosivas sobre sua derrota e aquilo que ele vê como traição de Pence.

Algumas autoridades estavam considerando sua renúncia, incluindo o conselheiro de segurança nacional Robert O'Brien. Seu vice no conselho, Matt Pottinger, pediu demissão na tarde de quarta-feira, segundo fontes contaram à CNN. Uma fonte do Partido Republicano disse que alguns membros do Gabinete mantiveram discussões preliminares sobre invocar a 25ª Emenda para forçar a remoção de Trump do cargo, alegando que ele não está apto para servir. Houve exigências de alguns democratas da Câmara para desencadear um processo de impeachment imediato. 

Após a resolução do tumulto, segue a perspectiva alarmante de um presidente incontrolável agindo com liberdade, acompanhado de uma cadeia de comando fragmentada na Casa Branca. Há graves implicações para a segurança nacional e a possibilidade de criar um vácuo que conduza a mais distúrbios.

Não está claro se os esforços para retirar o presidente consigam de fato fazê-lo. Mas eles refletem extrema preocupação até mesmo de autoridades e republicanos que apaziguaram seus impulsos selvagens e abusos de poder por quatro anos turbulentos.

Afinal, um presidente que já sofreu impeachment uma vez, que foi gravado tentando roubar a eleição na Geórgia no fim de semana passado e que nunca reconheceu os limites de seu cargo está agindo de uma forma que sugere que ele pensa que não tem nada para perder.

“Ele está fora de si", disse uma fonte que mantém contato frequente com Trump para Jim Acosta, da CNN.

O historiador presidencial Douglas Brinkley expressou preocupação com os danos que um presidente sem amarras e furioso poderia causar nas próximas duas semanas.

“Qualquer pessoa em qualquer agência federal tem que ficar de olho em Donald Trump porque ele está agindo e pensando de maneira irracional”, aconselhou Brinkley.

Um momento surreal

A verdade mais terrível revelada pelo ataque ao Capitólio não foi o ato em si. Foi a loucura de um presidente que voltou seus insurgentes contra o legislativo do país e que aprofundou ainda mais as divergências políticas que se agravarão muito depois de ele deixar o cargo.

O espetáculo de desordeiros, agitando bandeiras com o nome de Trump e usando bonés “Make America Great Again” (Tornar a América Grande Novamente) subindo os degraus abaixo da cúpula que brilha como um farol de autogoverno era surreal demais para se acreditar. Mas, embora chocantes, as cenas sem precedentes de uma horda norte-americana violenta andando pelos corredores do Congresso, de armas de policiais sendo sacadas no plenário e de desordeiros quebrando janelas não podem ser consideradas uma surpresa.

Foram, na verdade, o clímax lógico de uma presidência impregnada de demagogia, teorias da conspiração, incitação à violência e o desprezo de um homem forte pela Constituição. Eles foram o resultado inevitável de anos de desinformação e instigação de Trump, seus assessores e seus propagandistas mentirosos na mídia que deixaram milhões de norte-americanos acreditando em suas falsas alegações de uma eleição fraudulenta. 

A vergonha de um dia sombrio na história dos EUA é compartilhada por todos aqueles que zombaram das advertências de que a traição política de Trump estava fermentando uma explosão, incluindo legisladores republicanos, que foram cúmplices de suas alegações ridículas de fraude eleitoral depois de apoiar sua maligna presidência.

“Vamos descer... para o Capitólio”, disse Trump no comício perto da Casa Branca, preferindo a frase que acendeu a chama para um dia de confusão no momento em que o Congresso se reunia para finalizar a vitória eleitoral de Biden.

“Você nunca vai recuperar nosso país com fraqueza, você tem que mostrar força, você tem que ser forte”.

As cenas terríveis horrorizaram o mundo, incrédulo diante de imagens que lembravam as revoltas e rebeliões palacianas das instáveis “repúblicas das bananas”, em vez dos rituais majestosos da suposta última melhor esperança para a democracia na Terra.

“Isto não é a América”, disse Josep Borrell, uma alta autoridade da União Europeia, no Twitter.

Infelizmente, e pelo contrário, estes são os Estados Unidos forjados pelo presidente mais vingativo do país, cujos abomináveis quatro anos no poder alimentaram uma “carnificina americana” mais perigosa do que a crise econômica que ele condenou em seu discurso inaugural proferido há quase quatro anos – nas mesmas escadarias invadidas pelos seus capangas.

Na verdade, o dia de infâmia começou com o FBI abrindo uma investigação sobre uma ameaça aparentemente falsa, transmitida nas frequências de controle de tráfego aéreo, dizendo que um avião seguia na direção do Capitólio para vingar a morte de um importante general iraniano pelos EUA no ano passado. O perigo do dia não veio de fora, mas de dentro, já que a turba de Trump deu início a um evento que só aconteceu uma vez na história, há mais de 200 anos, quando exércitos invadiram o Capitólio em 1814.

Houve um debate recente entre os jornalistas sobre como se referir à tentativa de Trump de roubar a eleição livre e justa que ele perdeu, sua recusa em honrar uma transição pacífica de poder e seu incitamento de apoiadores furiosos para interromper o processo constitucional.

“Isso é o mais próximo de uma tentativa de golpe que este país já viu”, disse o ex-chefe da polícia de Washington, Charles Ramsey, à CNN.

Timothy Naftali, historiador presidencial da CNN e professor da Universidade de Nova York, disse que Trump quebrou uma sequência dourada da democracia que sustentou a liberdade norte-americana.

“Hoje foi a primeira vez em nossa história que um presidente se opôs a uma transição pacífica de poder”, afirmou Naftali.

Um episódio “vergonhoso”

A questão agora é se a indignação de quarta-feira será uma erupção única, que uma vez reprimida, se tornará uma terrível memória de uma presidência que dividiu o país.

Os sentimentos amargos desencadeados por Trump, porém, não estão confinados às dezenas de milhares de apoiadores que se reuniram em Washington. O presidente e seus truques de mídia semearam uma perniciosa desconfiança da democracia em vastas áreas do país. A maioria dos eleitores de Trump não é violenta. Mas milhões deles acreditam em suas mentiras sobre a eleição ter sido roubada – e acham que seu país está sendo tirado deles. Isso levanta a possibilidade de que a agitação de quarta-feira (6) vá além dos estertores violentos de uma presidência fracassada, e seja uma força venenosa que não só frustrará as esperanças de Biden de curar as divisões corrosivas, mas se agravará assim que Trump deixar o cargo e lhe oferecer uma plataforma para o extremismo continuado.

O senador republicano de Utah Mitt Romney disse que a melhor maneira de mostrar respeito pelos eleitores que estão chateados com o resultado da eleição não é perpetuar as mentiras de Trump, mas dizer-lhes a verdade.

“Aqueles que escolherem continuar a apoiar sua jogada perigosa, objetando aos resultados de uma eleição legítima e democrática, serão vistos para sempre como cúmplices de um ataque sem precedentes contra nossa democracia”.

Vários senadores republicanos ficaram irritados com os eventos de quarta-feira, muitos deles os mesmos que aprovaram a impunidade pelos abusos de poder anteriores de Trump, votando para absolvê-lo em seu julgamento de impeachment, e forjaram um casamento de conveniência com Trump para perseguir objetivos comuns, entre eles confirmar juízes conservadores.

“Trump e eu tivemos uma jornada infernal. Eu odeio terminar assim. Ah, meu Deus, eu odeio isso”, disse o senador da Carolina do Sul Lindsey Graham. “Tudo o que posso dizer é contem comigo. Basta”, disse Graham.

Líder da maioria no Senado, Mitch McConnell condenou a violência e reforçou sua oposição aos esforços para barrar a vitória de Biden.

“Não seremos mantidos fora desta câmara por bandidos, turbas ou ameaças", disse McConnell. “Certificaremos o vencedor da eleição presidencial de 2020”.

Pedidos de demissão de última hora e reconhecimentos da vitória de Biden, no entanto, dificilmente são perfis de coragem após a indulgência concedida pelos republicanos à conduta antidemocrática de Trump e semanas apaziguando sua negação da vitória de Biden.

Trump em silêncio no caos

Enquanto os membros do Congresso se protegiam sob seus assentos e seus apoiadores vagavam pelos escritórios dos líderes do legislativo, Trump não fez nada – a não ser assistir a desordem que ele havia provocado se desdobrar pela TV.

Uma fonte disse a Kaitlin Collins da CNN que Trump estava mais preocupado com o que ele vê como deserção política de Pence depois que o vice-presidente anunciou que não iria tentar interromper a certificação da vitória de Biden – um passo que, de qualquer forma, ele não tinha poder de tomar. Por fim, Trump divulgou um vídeo dizendo aos manifestantes para irem para casa, mas agravou a situação ao fazer mais acusações vergonhosas e falsas sobre uma eleição roubada.

O silêncio do presidente quando a violência real grassava contrastava com suas alegações pré-eleitorais incessantes e falsas de que hordas esquerdistas estavam correndo desenfreadamente pelas cidades dos Estados Unidos e seus apelos pela restauração da “Lei e Ordem”.

E as aparentemente escassas forças da Polícia do Capitólio dos EUA que foram oprimidas no Congresso contrastaram fortemente com as falanges fortemente armadas das forças de segurança de Trump despejadas nas ruas cheias durante os protestos Black Lives Matter no meio do ano passado. Naquela ocasião notória, o Departamento de Justiça enviou tropas federais à Lafayette Square com gás lacrimogêneo para afastar os manifestantes antes de uma absurda foto presidencial.

Sobra para Biden – que assumirá o cargo em um país que se quebrou pela divisão de Trump e por uma pandemia que agora está ceifando mais de 3.000 vidas por dia no país – oferecer a mão firme da liderança.

“Isso não é dissidência. É desordem. É o caos. É quase uma insubordinação”, disse Biden em um discurso em Delaware.

Stephen Collinson, da CNN / 07 de janeiro de 2021 às 17:44

(Texto traduzido. Leia o original em inglês). Publicado por CNN Brasil.